Rafael Arbex/Estadão
Rafael Arbex/Estadão

Atual campeã da São Silvestre traz a família para a prova

Queniana Nancy Kipron aprende a lidar com a pressão e traz a São Paulo até a filha Victoria, de cinco anos, e o marido, Joseph

Alessandro Lucchetti, O Estado de S.Paulo

30 de dezembro de 2014 | 07h00

Com domínio expressivo das edições recentes da São Silvestre, e também de outras provas importantes do Brasil, os corredores quenianos transformaram o País em uma extensão de sua casa. A queniana Nancy Kipron, atual campeã, por exemplo, trouxe desta vez a São Paulo até a filha Victoria, de cinco anos, e o marido, Joseph.

Bicampeã da Meia Maratona do Rio e com conquistas também na Meia das Cataratas, em Foz do Iguaçu, e nos 10km da Tribuna, em Santos, Nancy já fala palavras em português.


Finalmente campeã em 2013, depois de acumular desapontamentos por anos seguidos, Nancy diz que aprendeu a lidar com a pressão da prova graças a um bom trabalho psicológico.

Em 2011, ela chorou antes da largada e, no ano seguinte, chegou em oitavo lugar. De um ano para o outro, seu tempo melhorou de 54min43 para 51min58. No ano passado, ela abriu distância no quilômetro 10 e não foi mais ameaçada.

“Agora eu me sinto muito bem. No ano passado, fiz uma grande prova. Neste ano, a corrida deverá ser mais difícil devido à presença da Priscah Jeptoo (campeã em 2011 e vice-campeã olímpica da maratona) e da etíope Yimer Ayalew (campeã em 2008 e vice em 2011).”

Nancy conta que se sentia pressionada por ver conterrâneas suas se consagrando na São Silvestre, enquanto ela só conseguia vencer outras provas. Superada a barreira psicológica, a fundista deverá emplacar outras conquistas de peso, de acordo com a avaliação de seu treinador, Moacir Marconi, o Coquinho. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.