Autoridades chinesas defendem tocha olímpica no Everest

A decisão de incluir o monte Everest no roteiro da tocha olímpica não provocará danos ao meio ambiente da região, segundo o deputado do Congresso Nacional do Povo Zhang Qingli, presidente do Partido Comunista da região autônoma do Tibet, em declarações à agência Xinhua."Como pode a passagem da tocha olímpica prejudicar o meio ambiente?", perguntou Zhang. "Pelo contrário, é de vital importância e uma oportunidade dourada para o desenvolvimento do Tibet".A declaração de Zhang foi uma resposta às críticas surgidas desde que o Comitê Organizador de Pequim 2008 anunciou não só que a tocha subiria ao pico mais alto do mundo, mas que seria realizado, ainda este ano, um teste para comprovar a viabilidade do projeto.Os críticos do plano afirmam que a idéia causará mudanças indesejáveis ao Tibet, devido ao aumento de turistas na região, muitos deles montanhistas, o que significará um aumento de instalações para alojá-los, assim como a chegada de equipes técnicas necessárias para televisionar o evento.Neste ano, a China aumentou os preços das licenças para subir no Everest pela face norte, na tentativa de desencorajar os montanhistas, que não são favoráveis à idéia da passagem da tocha olímpica e afirmaram que o evento implicará em um aumento da poluição na região.Zhang respondeu às críticas afirmando que haverá uma campanha publicitária para que as pessoas entendam melhor o significado do Tibet e da proteção ao meio ambiente da região. "Será muito importante para a tocha olímpica subir até o pico do mundo", disse Yuklha, deputada tibetana do Partido Comunista.O comitê de organização afirmou que divulgará o percurso da tocha ainda neste primeiro semestre, e prometeu que o monte Qomolangma, como o Everest é chamado pelos tibetanos, com 8.844 metros de altura, será uma das mais significativas etapas do evento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.