Etienne Laurent/EFE
Etienne Laurent/EFE

Autoridades francesas investigam morte de ciclista na prova Paris-Roubaix

Autópsia será realizada no corpo do belga de 23 anos, que teria sofrida uma parada cardíaca

Estadão Conteúdo

09 de abril de 2018 | 18h54

Autoridades francesas abriram investigação nesta segunda-feira para apurar a morte do ciclista belga Michael Goolaerts. O atleta sofreu uma parada cardíaca durante a prova Paris-Roubaix, na França, e acabou falecendo no hospital na cidade de Lille, no norte da França.

+ Ciclista belga sofre uma parada cardíaca e morre após corrida na França

Uma autópsia será realizada no corpo do belga de 23 anos nos próximos dias, segundo informações da agência de notícias Associated Press. O jovem ciclista foi levado de helicóptero para o hospital de Lille depois de cair subitamente da bicicleta a cerca de 150 km da linha de chegada da tradicional prova, que é disputada em apenas um dia, no norte da França, quase na fronteira com a Bélgica.

Não há nenhuma imagem do momento em que o ciclista cai, porém a TV da corrida mostrou o pelotão passando ao lado do atleta belga inconsciente, caído no acostamento da estrada e socorrido posteriormente pelos médicos, que tentaram fazer, sem sucesso, a reanimação cardiopulmonar.

Pela investigação inicial, a parada cardíaca fez Goolaerts cair da bicicleta e despencar estrada abaixo, o que teria causado a morte. "No momento, não temos nenhuma certeza sobre a causa", disse o procurador da região, Remi Schwartz.

O episódio envolvendo Michael Goolaerts acontece dois anos depois das mortes dos também belgas Dan Myngheer e Antoine Demoitie, outros dois ciclistas vítimas de ataque cardíaco. O resultado mais significativo de Goolaerts nesta temporada foi a 20ª colocação na corrida Kuurne-Bruxelas-Kuurne. Peter Sagan venceu a Paris-Roubaix, logo à frente de Silvan Dillier, da Suíça.

Tudo o que sabemos sobre:
ciclismo [esporte]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.