Harry How/AFP
Harry How/AFP

Avassalador, Brasil atropela Porto Rico em estreia no basquete

Time misto do Brasil faz 92 a 59 e não dá chances a adversário

MARCIO DOLZAN, ENVIADO ESPECIAL A TORONTO, O Estado de S. Paulo

21 de julho de 2015 | 13h37

O técnico Ruben Magnano lamentou na segunda-feira, véspera da estreia da seleção masculina de basquete nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, que os amistosos de preparação tivessem sido "de nível técnico inferior", à exceção de um jogo contra o México. Mesmo assim, os 40 dias de preparação em São Paulo parecem ter sido bem aproveitados. Nesta terça, o time encarou a seleção de Porto Rico pela primeira rodada do torneio e venceu por incontestáveis 33 pontos de diferença. O placar final apontou 92 a 59. Rafael Hettsheimeir, com 19 pontos, foi o cestinha.

A vitória brasileira foi construída na primeira metade do jogo, quando o time deixou a quadra com uma vantagem incrível de 43 pontos. E ela foi conquistada basicamente por meio de cestas de três: os arremessos de fora do perímetro somaram 42 pontos. Hettsheimeir, atleta do Bauru, marcou 12 dessa forma antes do intervalo.

O time brasileiro começou avassalador. A estratégia foi muito simples: com o time de Porto Rico quase todo dentro do perímetro, o jeito foi arriscar os arremessos de três pontos. O aproveitamento foi impressionante: a seleção fechou o primeiro quarto vencendo por 31 a 6, sendo que 27 pontos foram marcados em arremessos de três.

Os porto-riquenhos mudaram um pouco a maneira de atuar no segundo quarto. A marcação, não raro, agora era feita do lado de fora do perímetro para dificultar os arremessos do Brasil. Mas a preocupação era tanta em marcar quem estivesse com a bola que, invariavelmente, sobrava outro atleta brasileiro livre. Assim, as cestas de três diminuíram, mas não cessaram: foram cinco no total, o que ajudou o Brasil a fechar o primeiro tempo de partida em 60 a 17.

Com um time bem modificado, o Brasil começou mal o terceiro quarto de jogo. Não marcou nenhum ponto nos primeiros três minutos e, frouxo na marcação, permitiu sete pontos de Porto Rico. Ruben Magnano, então, recolocou em quadra a equipe que jogara a maior parte do primeiro tempo, com Larry Taylor, Benite e Hettsheimeir. A seleção brasileira voltou para o jogo, mas o rendimento no quarto já estava comprometido. O time marcou apenas 19 pontos, contra 25 dos porto-riquenhos.

O último quarto de jogo foi o mais equilibrado. Com a vitória garantida, o Brasil fez um jogo de marcação forte e investidas seguras. Marcou 13 pontos, quatro a menos que o adversário, e fechou a partida em 92 a 59. A seleção brasileira volta à quadra nesta quarta-feira. O time encara a Venezuela a partir das 14h30 pelo horário de Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.