Bahia recebe sorteio do Mundial

Fifa vai fechar a tabela dos jogos e os grupos das seleções na Costa do Sauipe em dezembro de 2013

EDUARDO BRESCIANI / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

29 de junho de 2012 | 03h11

A Fifa escolheu o complexo de hotéis e resorts da Costa do Sauipe, na Bahia, para receber o sorteio dos grupos para a Copa do Mundo de 2014, que será realizado em dezembro de 2013. A escolha foi anunciada pelo secretário-geral da Fifa, Jérôme Valcke, após reunião com o ministro do Esporte, Aldo Rebelo, o presidente da Confederação Brasileira de Futebol e do Comitê Organizador Local, José Maria Marin, e os ex-jogadores Ronaldo e Bebeto, também integrantes do COL. O Estado havia informado na edição de 23 de maio que a Bahia era a favorita para receber o sorteio.

Sem nenhuma pompa, a escolha foi anunciada no meio de uma entrevista coletiva. Valcke, inclusive, se esqueceu de informar a novidade e só a mencionou depois de 30 minutos de declarações. "Há uma coisa que esqueci de dizer. Não é muito gentil, mas esqueci de dizer. Nós definimos o lugar do sorteio final. Ele vai ter lugar na Bahia."

O dirigente não esclareceu se o evento seria em Salvador ou na Costa do Sauipe. A informação de que o sorteio será na praia paradisíaca foi dada pelo site da Fifa momentos após a entrevista.

A decisão pela Bahia busca democratizar a Copa ao dividir os principais eventos pelo País. O Rio recebeu o sorteio das Eliminatórias da Copa e São Paulo verá a definição dos grupos da Copa das Confederações. Rio, São Paulo, Brasília e Fortaleza também desejavam receber o sorteio dos grupos para 2014, mas foram preteridas.

Depois de todo o episódio diplomático causado por suas declarações de que o Brasil precisava de um "chute no traseiro" para acelerar os preparativos para a Copa, Valcke tem procurado seguidamente fazer elogios ao País. Durante a entrevista, ele se recusou a falar sobre a crítica anterior e manifestou satisfação com a organização dos eventos.

"As coisas estão em tempo porque todo mundo trabalhou mais, o governo, as cidades, os organizadores. Nós trabalhamos com mais afinco e estamos mais preparados para o evento", disse Valcke, destacando ter recebido informações do governo de que 80% das obras estarão concluídas até o final de 2013.

A única insatisfação que deixou escapar foi com a Lei Geral da Copa. A entidade não ficou satisfeita em ter de negociar com Estados e municípios a liberação da venda de bebidas alcoólicas nos estádios e a venda de ingressos sem descontos ou gratuidades para estudantes e outros segmentos da sociedade. "A lei contém coisas que não correspondem exatamente às nossas expectativas." Minimizou, porém, o tamanho do problema. "Não é o fim do mundo. Faremos esse trabalho com calma, com cada uma das sedes."

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, voltou a afirmar que as obras de mobilidade urbana não são apenas para a Copa do Mundo. Segundo ele, o governo está aproveitando a realização do evento para tentar antecipar intervenções que já eram previstas nessas cidades. O presidente da CBF, por sua vez, procurou minimizar problemas nos aeroportos brasileiros.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.