Baleado, Camacho tem morte cerebral

O ex-boxeador porto-riquenho Hector Macho Camacho, de 50 anos, foi baleado em Bayamón, Porto Rico. Camacho recebeu um tiro no lado esquerdo da face, que atingiu seu ombro direito. Adrian Mojica Moreno, amigo de Camacho que estava no Ford Mustang, também foi baleado e morreu no local. A polícia desconfia de envolvimento com o tráfico de drogas.

SAN JUAN, O Estado de S.Paulo

22 de novembro de 2012 | 02h04

Camacho sofreu morte cerebral, segundo o jornal El Nuevo Dia. Rafael Rodríguez Mercado, diretor do hospital, confirmou o diagnóstico.

Camacho, de 50 anos, foi um lutador de frases e atitudes polêmicas. Sempre se apresentava com uma vestimenta escandalosa e gostava de tentar tirar a concentração dos adversários. Ele lutou de 1980 a 2010. Canhoto, sem muita pegada, mas bastante técnico, Camacho somou 79 (38 nocautes), 6 derrotas e três empates. Foi campeão dos superpenas, leves e meio-médios-ligeiros. Lutou contra Roberto Duran, Oscar De La Hoya, Sugar Ray Leonard, Felix Trinidad, Julio Cesar Chavez, Greg Haugen, Vinny Pazienza e Ray Mancini.

Fora dos ringues, Camacho teve problemas com drogas e álcool, e foi acusado de agressão por sua mulher.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.