Handout
Handout

Balonistas decolam no Japão em busca de recorde mundial

Recorde de distância de 8.383 km para balões a gás foi estabelecido em outro voo sobre o Pacífico, em 1981

Joseph Kolb, Reuters

25 de janeiro de 2015 | 12h52

Dois balonistas decolaram no Japão, no sábado, 24, na tentativa de quebrar o recorde mundial de distância e duração de uma viagem em balão a gás, o que eles esperam que leve pelo menos seis dias para cruzar o Pacífico e chegar à costa oeste dos Estados Unidos, afirmaram autoridades.

O recorde de distância de 8.383 km para balões a gás foi estabelecido em outro voo sobre o Pacífico, em 1981, enquanto o recorde de mais de 137 horas foi registrado em 1978 por um time que cruzou o Atlântico.

"Isso é da filosofia do homem", disse Ray Bair, oficial de observação da Associação Aeronáutica Nacional, baseada em Mission Control, em Albuquerque, Novo México. "Você sempre tenta alcançar novas alturas e distâncias. É disso que se trata."

O balão, que se baseia exclusivamente em uma câmara de gás hélio para decolar, é diferente dos balões de ar quente e os chamados Roziere balões, que dependem de ar quente e gás mais leve que o ar. Os balões Roziere tem, de longe, o melhor desempenho entre os três tipos. 

Os pilotos do balão, o americano Troy Bradley e o russo Leonid Tuikhtyaev, chamados de "Duas Águias", tiveram uma decolagem bem-sucedida depois que o tempo ruim e precárias trajetórias de vento atrasaram a partida repetidas vezes, informou Bair.

Eles vão sobreviver com uma dieta que inclui frutas frescas, refeições congeladas e desidratadas, carne seca e refeições quentes ocasionais preparadas em um pequeno fogão, e terão roupa de frio, incluindo sacos de dormir e um aquecedor.

Se eles chegarem à costa oeste americana ao sul de Oregon, eles terão quebrado o recorde de distância, afirmou Bair, acrescentando que eles também poderiam tentar voar para mais longe, pois o balão é capaz de ficar no ar por dez dias.

Notícias relacionadas
Tudo o que sabemos sobre:
ESPORTEBALONISMO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.