Ernesto Rodrigues/AE - 23/2/2012
Ernesto Rodrigues/AE - 23/2/2012

Banco do Corinthians custa R$ 1 milhão

Tite deixa jogadores de altos salários sentados à espera de uma chance

Fábio Hecico, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2012 | 03h05

Os dois próximos jogos do Corinthians devem ser os últimos de experiência para Tite. Depois, o time titular deve ser visto no clássico contra o Santos (dia 4, na Vila Belmiro) e na partida com o Nacional, do Paraguai, pela Libertadores, no Pacaembu. E definir os 11 homens de confiança, principalmente do meio para a frente, é a dura missão do treinador, que luta para domar os egos e evitar o desânimo de jogadores experientes e que não costumam ficar na reserva.

São nada menos que 12 opções para apenas quatro vagas. Quatro ficariam na reserva e outros quatro nem relacionados para os jogos. Danilo, Douglas, Willian e Liedson aparecem com vantagem para formar o setor ofensivo, o que abre a possibilidade de um banco de reservas de mais de R$ 1 milhão. As opções seriam Adriano (R$ 400 mil mensais), Alex (R$ 320 mil), Emerson (R$ 300 mil) e Jorge Henrique (R$ 250 mil). E quase R$ 500 mil ainda nem seriam relacionados com Gilsinho, Vitor Júnior, Ramirez e Élton.

"A concorrência é que vai mostrar quem é titular", endossa Tite, feliz com o "pepino" que tem nas mãos para definir os donos da posição. Bom de papo e valorizado pelo trabalho psicológico que faz com o grupo, o treinador até brinca com a situação. "Se eu pegar as camisetas e jogar, quem pegar fará um grande time", diz.

Tite costuma fazer um rodízio na reserva e dificilmente repete os três jogadores que entram numa partida para a outra. Também vinha apostando na estratégia nas primeiras rodadas do Estadual, o que não será possível na fase decisiva e nos jogos da Libertadores.

"A equipe vai mostrar sua cara (quem será titular) jogo a jogo porque todos têm condições", prega. "E não é demagogia, já senti o gosto amargo da reserva, de não ser relacionado, de ficar fora de um banco, de ficar machucado... Eu procuro sempre estar valorizando muito quem está fora. Quem está jogando é fácil de se motivar, quem está fora é que precisa estar bem trabalhado."

Superação. Danilo, Willian e Ramirez são exemplos para a tese do treinador. No Estadual de 2011, em baixa com a torcida, Danilo não ficava nem na reserva. No pentacampeonato Brasileiro foi quem mais jogou - 36 vezes, assim como Leandro Castán - e hoje é intocável. Tite até já adiantou que Douglas e Alex disputam uma vaga.

Willian começou o ano com lesão e apresentações abaixo do esperado. Parou na reserva e, aos poucos, vem conquistando a posição ao fazer gols nos dois últimos jogos.

No caso de Ramirez, a expulsão diante do Tolima, na eliminação ainda na fase preliminar da Libertadores de 2011, poderia ter abreviado sua passagem pelo clube. "Se eu fosse filho da ... ele não estaria mais aqui. Não o fiz e ele vem nos ajudando muito", diz. Tite O peruano fez gol importante contra o Ceará na reta final do Brasileiro e já anotou duas vezes nesse Estadual.

Diferentemente de Danilo, porém, Willian e Ramirez admitem que são opções. "Não importa se vindo do banco ou como titular, o que vale é estar sempre ajudando o Corinthians", fala Willian.

A dúvida é como será a reação de Alex, Douglas, Adriano, Emerson e Liedson, titulares por onde passaram.

Joga contra Emerson um problema no púbis que vai afastá-lo da terceira partida consecutiva. Alex, que havia perdido a vaga para Jorge Henrique, enfrentou a Portuguesa, mas não foi bem. Foi vaiado pelos torcedores.

Companheiros inseparáveis nos treinos, Douglas e Adriano correm contra o tempo para mostrarem a Tite que podem assumir as posições. A parceria vem dando resultado nos trabalhos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.