Bandeirantes tira ginástica da Globo

Uma ?rasteira? da TV Bandeirantes na TV Globo provocou um mal-estar na Confederação Brasileira de Ginástica (CBG): em hábil e surpreendente manobra, os diretores da emissora paulista compraram os direitos de transmissão das edições dos Mundiais da modalidade até 2008, além das Superfinais da Copa do Mundo em 2006 e 2008. O principal receio da presidente da entidade Vicélia Florenzano é o de que o esporte perca visibilidade ao sair do canal líder de audiência para o que ocupa apenas o quarto lugar geral no Ibope. Mas o episódio pode ocasionar uma disputa judicial entre as duas redes. "Fui comunicada pela FIG (Federação Internacional de Ginástica) na semana passada e fiquei surpreendida, porque foi a Bandeirantes. Quem está próxima da gente é a Globo", contou a presidente da CBG, que enviará amanhã um ofício para a entidade internacional pedindo mais detalhes sobre a transação. "Mas, vejo o investimento como superpositivo, independente de ter sido a Globo, que é a nossa parceira." Vicélia destacou o investimento financeiro feito pela Bandeirantes, não revelado pela emissora, já seria o suficiente para receber elogios. No entanto, a dirigente reconheceu que a saída dos eventos da Globo poderá fazer com que o público da modalidade caia. "A Globo tem um alcance surpreendente de espectadores e todo mundo já está acostumado com a ginástica lá. Hoje, vemos a ginástica antes e depois da Globo. Com ela chegamos à popularidade", destacou Vicélia. Além da perda de público, a dirigente está preocupada também com outro problema. CBG e a emissora carioca possuem um contrato de exclusividade para a transmissão das etapas da Copa do Mundo realizadas no Brasil, inclusive a Superfinal de 2006. Como a Superfinal da Copa do Mundo de 2006 deve ser realizada no Rio de Janeiro, haveria um conflito de contratos e a presidente da CBG contou não saber como o problema seria solucionado. Especulou que a Globo seria a responsável por transmitir o evento para os brasileiros, enquanto a Bandeirantes geraria o sinal da competição para o mundo. "Não sei como isso vai ficar", revelou. O diretor-executivo de jornalismo da Bandeirantes, Fernando Vieira de Melo, também não soube esclarecer o provável impasse. Sobre a aquisição dos direitos de transmissão dos eventos, ocorrida no ano passado, explicou que o objetivo foi o de dar continuidade à cultura da emissora de investir maciçamente no esporte. A TV Globo, por nota, preferiu não se pronunciar sobre o assunto.Justificou a posição dizendo que "não comenta programações e estratégia de outras emissoras."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.