Bandeirinhas não estão com a função ameaçada, diz CBV

A nova bola ainda não representa perigo ao emprego dos auxiliares de arbitragem, embora eles trabalhem na mesma posição em que ficarão as câmeras que indicarão se a bola quicou dentro ou fora. Ary Graça, presidente da CBV, lembrou que os bandeirinhas têm muito mais atribuições em quadra. "Eles avaliam se a bola raspou no bloqueio, se o atleta pisou na linha no momento do saque... Portanto, os auxiliares vão continuar atuando", garantiu. "O juiz decide se quer seguir a indicação do auxiliar ou a da imagem. Se ele achar que não quer acatar a indicação, será uma arbitrariedade, mas ele poderá fazer isso." Em várias das principais competições do tênis, como o US Open e Wimbledon, são exibidas animações para mostrar a trajetória da bola após lances duvidosos. "A diferença é que o nosso sistema mostra a imagem em tempo real", disse Roberto Stefano, da Penalty. "Além disso, no tênis o custo dessa tecnologia é de US$ 100 mil por torneio."

Daniel Brito, O Estadao de S.Paulo

15 de maio de 2009 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.