Banheiros, novo problema da China

Diferença de hábitos entre ocidentais e asiáticos faz organização reformar estádios, para instalar vasos sanitários

Cláudia Trevisan, Pequim, O Estadao de S.Paulo

20 de março de 2008 | 00h00

O mais novo dilema dos organizadores da Olimpíada de Pequim está relacionado com as diferenças culturais entre ocidentais e asiáticos quando o assunto é a ida ao banheiro. O Parque Olímpico da capital chinesa ainda não está pronto, mas já passa por sua primeira reforma, para a instalação de vasos sanitários ao estilo ocidental.Os três principais estádios da cidade haviam sido equipados com latrinas típicas chinesas - buracos no chão revestidos de porcelana, que exigem habilidade na posição de cócoras que muitos atletas e visitantes estrangeiros não possuem.Depois de eventos testes nos estádios de natação e de ginástica, eles perceberam que os típicos ''toaletes de cócoras'''' não agradavam aos ocidentais. A maioria dos banheiros chineses está sendo arrancada e substituída por vasos que permitem ao usuário sentar-se. Algumas latrinas já instaladas serão mantidos para atletas e espectadores locais.A ida ao banheiro é um dos maiores choques culturais de ocidentais na China. Apesar de os ''vasos de sentar'''' estarem se popularizando, a maioria dos toaletes é equipada apenas com os ''de cócoras'''', principalmente em bairros tipicamente chineses e no interior do país.O estilo chinês prevaleceu em quase todos os banheiros instalados no Estádio Olímpico (o Ninho de Pássaros), no Centro Aquático (Cubo D''Água) e no Estádio Indoor destinado às competições de ginástica, informou ontem Yao Hui, do Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos de Pequim.Os organizadores só perceberam que estavam diante de um potencial e delicado choque cultural depois que abriram as instalações já concluídas para eventos teste. ''Depois dos testes, recebemos várias sugestões e foram levantadas questões em relação aos toaletes'''', disse o diretor, sem apresentar estimativa de custo para a substituição dos vasos. ''A maioria dos chineses está acostumada com toaletes de cócoras'''', ressaltou Yao Hui. Em sua avaliação, a Olimpíada vai acelerar a transição de ''hábitos culturais'''' chineses na direção de ''standards internacionais''''.O Cubo D''Água foi aberto para eventos teste em janeiro. O Estádio Indoor para ginástica começou a ser testado em novembro do ano passado. Principal estrela dos Jogos, o Ninho de Pássaros só ficará pronto em abril.TEMPO CURTOYao Hui afirmou que será difícil reformar os banheiros de todos os 37 locais em que vão ocorrer competições, 31 dos quais localizados em Pequim. Acrescentou ainda que a prioridade será dada aos banheiros destinados aos atletas, jornalistas e à ''família olímpica'''', que são delegações e convidados especiais de cada país.A China espera 500 mil visitantes estrangeiros para os Jogos Olímpicos, que terão início no dia 8 de agosto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.