Barça humilha Real, goleia e assume 1º lugar

Com um toque de bola genial, liderado pelo endiabrado Messi, time catalão faz 5 a 0 diante de 100 mil no Camp Nou

, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2010 | 00h00

BARCELONA

Em uma das maiores atuações do ano, o Barcelona humilhou o Real Madrid, para delírio dos 100 mil espectadores no Camp Nou, ao vencer por 5 a 0 e assumir a liderança do Campeonato Espanhol. Agora, a equipe catalã soma 34 pontos, após 13 rodadas, contra 32 do Real. Lionel Messi não fez gol, mas liderou o Barça na 63.ª vitória sobre o maior rival. O time de Madri soma 68 triunfos.

O esperado equilíbrio para o clássico foi desfeito a partir do apito inicial do árbitro Eduardo Iturralde. Sem uma marcação correta, Iniesta e Xavi impuseram o seu requintado e eficaz toque de bola ao Real Madrid. Com isso, não demorou para a equipe catalã assumir o controle do jogo. Aos 5 minutos, com um toque genial de cobertura, Messi acertou a trave direita de Casillas. Daniel Alves arriscou de longe e errou por pouco, aos 6. Mas foi aos 9 que o Barça abriu o placar. Iniesta lançou Xavi: 1 a 0.

O gol fez o Real acordar. Di Maria obrigou Valdés a fazer grande defesa e Abidal quase fez contra. Mas a reação do time merengue parou por aí. Apesar da partida ainda estar no começo, os quase 100 mil catalães não se intimidaram em gritar "olé". Aos 17, o time azul-grená esbanjou categoria. Passe de pé em pé, Xavi lançou Vila. O atacante cruzou e Pedro, muito rápido, se antecipou a Marcelo, para fazer o 2.º gol.

Sem conseguir jogar, o Real se enervou. Aos 30, Cristiano Ronaldo chegou a empurrar o técnico Guardiola, ao tentar pegar a bola. Arrumou confusão com todo o time do Barça. O português reclamou muito também aos 38 minutos de um pênalti que teria sofrido do goleiro Valdés, não apontado pelo árbitro Iturralde.

O clima seguiu quente, apesar da chuva e do frio. Aos 44, Messi reclamou de falta do zagueiro português Ricardo Carvalho, que atingiu o argentino com o braço. Mais discussão.

Para o segundo tempo, José Mourinho, preocupado com a marcação, trocou Özil por Diarra. De nada adiantou. Em 12 minutos, o placar já era 4 a 0. Dois gols de Villa em assistências do endiabrado Messi, que deu mais dois toques para gol, desperdiçados pelo próprio Villa e por Xavi.

Show. A partir do quarto gol, o Barça fez questão de colocar o Real na roda e os garotos Bojan, Jefren e Keita puderam conhecer a grande rivalidade. Com isso, tirou o equilíbrio emocional do time madrilenho, que fez várias faltas violentas e teve discussões com o juiz. Cristiano Ronaldo, anulado pelo experiente Puyol, só deu um chute a gol na segunda etapa. O melhor jogador do mundo de 2008 pouco fez e foi bastante vaiado a cada vez que pegava na bola. O português foi mais um espectador no Camp Nou. Só não aplaudiu o quinto gol de Jefren aos 45 minutos. Foi demais para o Real. O violento e limitado Sergio Ramos fez falta desleal em Messi e foi expulso. Nova confusão. Mas nada tirou a felicidade catalã pela goleada histórica.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.