Chema Moya/EFE
Chema Moya/EFE

Barcelona e Real Madrid reiniciam luta por hegemonia

Técnicos trocam farpas antes do duelo pelo primeiro título da temporada

O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2012 | 03h03

A temporada na Espanha mal começou (a primeira rodada do campeonato nacional foi disputado no último fim de semana) e o clima bélico da acirradíssima rivalidade entre Real Madrid e Barcelona já toma conta do futebol do país. Os dois gigantes iniciam nesta quinta a disputa pelo título da Supercopa, duelo entre os últimos vencedores do Campeonato Espanhol e da Copa do Rei. Hoje, a partida será no Camp Nou. O jogo de volta será dia 29, no Santiago Bernabéu. E, como era de se esperar, os atletas já trocam provocações.

Obviamente, o técnico do Real, José Mourinho, começou a colocar lenha na fogueira ao desdenhar os 14 títulos conquistados pelo Barça em 19 disputados sob o comando de Pep Guardiola. "Não se pode falar em hegemonia quando não se ganha duas Copas dos Campeões seguidas", justificou.

O substituto de Guardiola no time catalão, Tito Vilanova, não abaixou a guarda e rebateu, destacando os feitos do Barça nos últimos anos. "Esta equipe fez coisas incríveis, inigualáveis. Ganhamos nove títulos de nove possíveis nos dois primeiros anos. Não sei se isso é hegemonia, mas há quatro ou cinco equipes na história que serão lembradas além de números e títulos e este time é um deles", afirmou.

Ainda em começo de temporada, Barça e Real chegam para o jogo de hoje em condições de igualdade. Não há favoritos, apesar de o time da capital ser o azarão nas bolsas de apostas. A Bwin, patrocinadora do Real, por exemplo, paga 3,90 (R$ 9,81) para cada 1 (R$ 2,51) apostado em vitória da equipe. Se o Barça for o vencedor, o pagamento cai para menos da metade: 1,80 (R$ 4,53).

Esperto, Mourinho já tratou de tirar o peso de uma possível conquista - e de derrota, claro. "É a competição menos importante das quatro que disputaremos e não tem nenhuma consequência para o decorrer da temporada", disse. "Se pudesse escolher, perderia a Supercopa e ganharia o Espanhol."

O Real não terá o zagueiro Pepe, que levou um pancada na cabeça no domingo, contra o Valencia, após se chocar com o goleiro Casillas, e será poupado. Seu substituto será Albiol. Já o Barça vai com força máxima, incluindo o atacante Alexis Sánchez, que não jogou no fim de semana justamente para estar 100% fisicamente hoje e costuma se dar bem contra o arquirrival.

Briga de gigantes. O Superclássico de hoje será mais um embate entre Cristiano Ronaldo e Messi na briga para ver quem será eleito pela Fifa o melhor jogador do mundo. Com sobras, o argentino levou ganhou nas três últimas temporadas, mas o português equilibrou a disputa este ano e tem grandes chances de ser premiado.

Na última vez que enfrentou Messi, por exemplo, pelo Campeonato Espanhol da última temporada, o craque do Real conseguiu que a balança pendesse para o seu lado ao jogar bem, fazer grandes jogadas e marcar um gol na vitória por 2 a 1 em pleno Camp Nou enquanto que o argentino passou em branco.

Por mais que Mourinho classifique a Supercopa como a "competição menos importante da temporada", atuações decisivas hoje e no jogo de volta podem influenciar diretamente na decisão do júri.

Na TV. O Esporte Interativo transmite o jogo pela parabólica, pelo canal 36 UHF e pelas operadores de TV por assinatura Claro (48), GVT (50), Oi (116) e Vivo (466). A transmissão também é feita pela internet.

Tudo o que sabemos sobre:
SupercopaReal MadridBarcelonaFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.