Barcelona larga na frente do Real Madrid

Time de Messi goleia no jogo de estreia diante da Real Sociedad e a equipe de Cristiano Ronaldo sofre contra o Valencia

O Estado de S.Paulo

20 de agosto de 2012 | 03h06

A primeira rodada do Campeonato Espanhol foi uma boa mostra de como deverá ser o desenrolar da competição: o Barcelona atropelando os times de menor expressão e o Valencia fazendo de tudo para atrapalhar a vida dos favoritos ao título. O primeiro a sofrer com o time dos brasileiros Diego Alves e Jonas foi o Real Madrid.

No Santiago Bernabéu, o Real jogou muito melhor do que o Valencia, mas não saiu de um empate por 1 a 1. Na sequência, no Camp Nou, o Barcelona não teve dó da Real Sociedad e venceu por 5 a 1.

Agora sob o comando do técnico Tito Vilanova, que substituiu Pep Guardiola, o show da equipe catalã começou logo aos quatro minutos, quando Puyol abriu o placar. A Real Sociedad esboçou uma reação empatando aos nove com Castro, mas nem teve tempo para respirar. Messi recolocou o Barça em vantagem aos 11 e ampliou cinco minutos depois.

Em menos de 20 minutos de jogo, o Barcelona já havia deixado claro aos amantes do bom futebol que a troca de comando na equipe não significará mudança de estilo de jogo.

O time continua com seu futebol vibrante, bonito, eficaz e, claro, muito ofensivo. Antes do intervalo, fez o quarto gol com Pedro Rodriguez, aos 41.

No segundo tempo, Puyol e Fabregas descansaram e deram lugar a Piqué e Iniesta. Depois, foi a vez de Pedro ir para o banco para a entrada de David Villa, que não jogava havia oito meses por conta de uma lesão na tíbia esquerda. O Barça jogava em ritmo de treino, sem se esforçar muito. Mas para a festa ficar completa faltava o gol de Villa e ele veio aos 40 minutos.

Goleiro salva Valencia. Muito do empate do Real Madrid com o Valencia, ontem, deve ser colocado na conta de Diego Alves. O goleiro do Valencia só não teve uma atuação impecável porque sofreu um gol de Higuaín aos nove minutos do primeiro tempo. Mas bem que ele fez o que pôde para evitar que o argentino abrisse o placar: o brasileiro defendeu dois chutes à queima roupa e apenas no terceiro cedeu o gol.

Dono do jogo, o Real tinha o domínio da partida em suas mãos, mas acabou surpreendido em um lance de bola parada aos 41. Tino Costa cobrou falta para o meio da área, Jonas se antecipou à marcação e desviou de cabeça. No lance, Casillas, Pepe e Xabi Alonso acabaram se chocando. Pepe levou a pior, sofreu um corte na cabeça e teve de ser substituído por Albiol no intervalo.

No segundo tempo, o Real continuou melhor e chegou a acertar uma bola na trave em um cabeceio de Higuaín aos 19 minutos. O Valencia só se defendia e, diante da falta de ofensividade do adversário, o técnico do Real, José Mourinho, resolveu aumentar o poder de fogo da sua equipe trocando o volante Lass pelo atacante Benzema. Depois, renovou o fôlego da equipe substituindo Di María por Callejón.

O segundo gol estava amadurecendo. E só não saiu por causa de Diego Alves, que salvou o Valencia com duas belas defesas depois dos arremates de Benzema e Callejón.

Mourinho lamentou o empate, mas fez questão de ressaltar que o Real só não estreou com vitória devido à ótima atuação de Diego Alves. "Ele fez defesas decisivas. Jogamos o suficiente para vencer", analisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.