Barcos muda discurso e deve ficar

Antes do rebaixamento, atacante admitia deixar o Palmeiras para não se desvalorizar na Série B, agora a conversa é outra

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

20 de novembro de 2012 | 02h06

Um dos poucos que se salvaram na campanha do rebaixamento, Barcos mudou o discurso um dia após a queda à Série B. Ciente de sua importância para a equipe, o argentino pediu desculpas à torcida pelo vexame e deixou no ar a notícia que todo palmeirense queria ouvir: ele deve permanecer para 2013. Na semana passada, o goleador havia insinuado que poderia deixar o clube.

"Palmeirense, obrigado por todo apoio. E desculpe por não poder fazer mais para sair dessa situação ruim. Mas o 2013 é nosso. Eu acredito", escreveu o atacante, em sua página pessoal no Twitter. No domingo ele já havia admitido que a queda foi um fiasco de todos os jogadores.

Mas ao falar que "2013 é nosso", Barcos demonstra que pensa no clube para o ano que vem. Desde que o time entrou na zona de risco para ser rebaixado, o argentino não fez média com a torcida e admitiu que o rebaixamento poderia causar sua saída. O atacante está radiante por ser convocado constantemente pelo técnico da Argentina, Alejandro Sabella, e acredita que a queda poderia fazer com que ficasse "escondido" e perdesse espaço no time nacional.

Mas, apesar do interesse da Fiorentina, da Itália, Barcos sabe que disputar a Taça Libertadores é uma vitrine maior até do que a própria Série A. Além disso, está à beira de ganhar um aumento, prometido pelo presidente Arnaldo Tirone, quando foi convocado pela primeira vez para a seleção argentina.

Portanto, deixar o Palmeiras agora não seria uma boa ideia, mas para não ser surpreendido, o gerente de futebol, César Sampaio, deve se reunir nos próximos dias com o atacante e definir sua renovação de contrato.

Dependendo do que acontecer na temporada, o argentino pode até ficar para a disputa da Série B, mas este assunto será tratado mais para frente, já que diversos fatores serão levados em consideração no momento de decidir sua permanência.

Enquanto define seu futuro, Barcos terá um descanso no final de semana. Ele recebeu o terceiro cartão amarelo na partida contra o Flamengo e vai cumprir suspensão. Obina pode entrar em seu lugar.

Garantir a base. Além de Barcos, o zagueiro Henrique e os volantes Wesley e Marcos Assunção também são tratados como estrelas que darão a base para a formação do time no ano que vem e o objetivo é segurá-los, pelo menos para a disputa da Taça Libertadores.

Henrique e Wesley têm contrato até junho de 2017 e não devem dar muito trabalho para ficar, já que não têm propostas.

Quanto a Marcos Assunção, seu contrato vence no fim do ano e ele já havia manifestado que, apesar das dores crônicas no joelho direito, não abre mão de jogar a Série B pelo Palmeiras para colocar o clube de volta à elite nacional. As negociações estão em andamento .

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.