Barcos sai e Palmeiras espera por gremistas

Atacante prefere se transferir para a equipe gaúcha, que desembolsa R$ 7 milhões e oferece mais cinco atletas; apenas o zagueiro Vilson acertou

DANIEL BATISTA, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2013 | 02h04

Maior ídolo da torcida do Palmeiras, o atacante Hernán Barcos está fora do clube e é o novo reforço do Grêmio. E o pior, foi ele quem forçou a situação para deixar a equipe e conseguir manter vivo o seu grande sonho, que é brigar por uma vaga na seleção argentina para a Copa de 2014. E a situação fica ainda mais delicada pelo fato de o Alviverde ainda não saber ao certo o que vai receber pela negociação.

O time gaúcho entrou em contato com o Palmeiras e pediu a autorização para conversar com Barcos, concedida imediatamente. "Decidimos que não vamos mais proibir jogador algum de ouvir proposta", disse o diretor executivo José Carlos Brunoro. Barcos gostou da proposta dos gaúchos e os clubes iniciaram a conversa. Como o Grêmio precisava inscrever Barcos até ontem para garanti-lo na Libertadores, o acordo foi fechado e o atacante acabou liberado.

Em troca, o Palmeiras receberá cinco jogadores e mais R$ 7 milhões, sendo que R$ 4 milhões vão para os cofres do clube, R$ 1,5 seria usado para quitar uma dívida do Alviverde com a LDU - em relação aos direitos federativos do atacante - e mais R$ 1,5 seria pago para Barcos, em relação a direitos de imagem e salários que estavam atrasados.

O problema é que o acordo foi fechado sem que o Palmeiras acertasse, de fato, com algum jogador. O clube chegou a divulgar pela manhã que cinco jogadores chegariam em definitivo do Grêmio para o Alviverde: o zagueiro Vilson, o volante Léo Gago, o meia Rondinelly e os atacantes Leandro e Marcelo Moreno. Todos foram oferecidos pelo time gaúcho e o Palmeiras aprovou.

Horas depois, a reviravolta. Nenhum deles havia acertado e a tendência era que todos chegassem por empréstimo. Deles, o clube conseguiu conversar com Vilson e Leandro e deixou o acerto praticamente sacramentado. Brunoro ainda negocia com Léo Gago. Quanto a Rondinelly, o Palmeiras ainda estuda se tem interesse em contar com o atleta. Já em relação a Marcelo Moreno, existe uma grande polêmica.

O pai e empresário do jogador, Mauro Martins, garante que não aceita a transferência do filho para o Palmeiras, mesmo com a liberação do Grêmio. Brunoro chegou a falar com o jogador ontem, mas ouviu que seu empresário é quem deveria negociar com o Palmeiras. O dirigente não conseguiu contato. No celular, só caixa postal.

A intenção do dirigente palmeirense é conversar diretamente com o jogador e tentar convencê-lo. "O mundo dá voltas e vamos mostrar a ele os prós de vir para o Palmeiras. Para o Barcos sair daqui também não foi uma decisão fácil. E mesmo não sendo fácil decidir, ele (Moreno) pode vir para cá", disse.

O dia de ontem deixou algumas conclusões. Barcos realmente estava decidido a sair do Palmeiras e só não fez isso antes porque não havia chegado uma boa proposta para os dois lados. E a diretoria do Palmeiras abriu mão da Libertadores, já que da lista dos cinco gremistas, apenas o zagueiro Vilson pode ser inscrito na competição. A meta principal é subir para a Série A nacional

Caso a negociação com algum dos atletas seja frustrada, uma outra lista será entregue e, se mesmo assim, não houver acordo, o Grêmio vai ressarcir o clube com uma compensação financeira.

Seleção. Na entrevista de despedida, Barcos disse ter ficado chateado por ser chamado de mercenário pelos torcedores e que a decisão de deixar o clube foi por uma questão de carreira. "Tive de colocar muita coisa na balança. Teve família, mas a questão da seleção pesa. Aqui eu perdi um pouco de espaço, tanto que nem fui convocado para o último jogo", lamentou. "Estou eternamente agradecido ao Palmeiras e ao respeito dos torcedores."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.