Nigel Rodis/Reuters
Nigel Rodis/Reuters

Basquete britânico busca sua primeira vitória olímpica após 64 anos de espera

Seleção encontrará o time brasileiro na segunda rodada da competição

Amanda Romanelli - Enviada especial,

25 de julho de 2012 | 13h13

LONDRES - Só a honra de ser país-sede dos Jogos Olímpicos garantiu ao basquete britânico uma participação no torneio. Pela segunda vez na história, uma equipe do Reino Unido estará em quadra. E o objetivo, a partir de domingo, quando a equipe da casa estreia contra a Rússia, é garantir sua primeira vitória olímpica.

Mas a missão não será simples. Para o técnico Chris Finch, que também é assistente do Houston Rockets, os britânicos estão na chave mais difícil da competição. Fazem companhia ao Brasil, com que se encontram na 2ª rodada, terça-feira, às 12h45 (de Brasília), e ainda enfrentarão Espanha, China e Austrália.

"Quando o grupo foi definido, de início, eu gostei. Mas quando vieram as listas de jogadores, vi que o Brasil terá seus quatro jogadores da NBA", afirmou o treinador. "Também teremos que enfrentar Rússia e Espanha, algumas das melhores seleções do mundo, que jogam em alto nível. Estamos no grupo mais forte, o que será difícil para nós."

A única participação olímpica do basquete britânico foi em 1948, na segunda vez em que a capital inglesa recebeu a Olimpíada - a outra foi em 1908. Na ocasião, fizeram cinco partidas e perderam todas.

A seleção teve que mostrar à Federação Internacional de Basquete (Fiba) que merecia conquistar uma das 12 vagas do torneio olímpico de basquete. Os britânicos convenceram os dirigentes com o projeto de tentar popularizar o esporte no país.

Aos poucos, modestos motivos de comemoração vão surgindo. Em 2011, o Reino Unido pôde celebrar sua primeira vitória em um Campeonato Europeu. No histórico dia 4 de setembro, os britânicos venceram Portugal por 85 a 73. Agora, esperam conseguir semelhante façanha em casa, diante de sua torcida.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.