Basquete do Brasil admite erros em momentos decisivos

Equipe chegou à segunda rodada ao ser batida pela Rússia nos Jogos de Londres nesta segunda-feira por 69 a 59

AMANDA ROMANELLI, enviado especial, O Estado de S. Paulo

30 de julho de 2012 | 16h31

LONDRES - A seleção brasileira feminina de basquete reconheceu que tem falhado nos momentos decisivos das suas partidas na Olimpíada. Como já havia acontecido na derrota para a França, a equipe teve desempenho ruim no último quarto contra a Rússia, nesta segunda-feira, o que foi decisivo para o novo revés nos Jogos de Londres.

Assim, as jogadoras admitiram que precisam melhorar o desempenho no final das partidas. "A gente tem que melhorar no último quarto. A gente entra desligada, desconcentrada, faz o outro time controlar o jogo e ter méritos. Mas não acabou nada ainda, o torneio está começando agora, só foram dois jogos", disse Chuca.

O técnico Luiz Carlos Tarallo ressaltou a necessidade do Brasil se impor nos momentos decisivos dos duelos para vencer. "O grupo está levando o jogo de igual para igual mas está precisando acreditar no momento de fechar o jogo. Estamos aceitando situações que o adversário impõe", comentou.

De acordo com o treinador, o Brasil mostrou evolução na derrota para o Rússia, mas ainda segue com dificuldades nos momentos de definição dos duelos. "Estamos diminuindo os erro e as precipitações, mas chega em um determinado momento em que a gente não consegue fechar o jogo", disse.

A segunda derrota na Olimpíada deixou o Brasil em situação complicada, mas Karla prometeu que a equipe vai se recuperar. "A gente está acreditando, ninguém vai soltar a corda, porque esse é um grupo forte. A gente treinou muito para estar aqui e eu não vou aceitar que duas derrotas manchem um trabalho tão bem feito", comentou.

Ainda sem vencer nos Jogos de Londres, o Brasil volta a entrar em quadra na quarta-feira, quando vai enfrentar a seleção australiana, em partida válida pela terceira rodada do Grupo B.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.