'Batemos, sim. O Brasil nos desrespeitou'

JOHANNESBURGO

, O Estado de S.Paulo

21 de junho de 2010 | 00h00

A Costa do Marfim bateu, sim, no Brasil. E não se arrepende. O zagueiro Kolo Touré disse que a pancadaria vista no segundo tempo foi uma resposta às gracinhas que os adversários começaram a fazer após abrir vantagem. "O Brasil nos desrespeitou. Depois de estar ganhando, começou a brincar com a bola e isso é inaceitável. Mesmo que esteja ganhando de 10 a 0, uma seleção precisa mostrar respeito ao adversário"", disse, em inglês, o jogador do Manchester City.

Touré também reclamou bastante do árbitro francês Stephane Lannoy, que validou o segundo gol brasileiro, marcado por Luís Fabiano, num lance em que levou a bola com a mão. "Como um juiz pode dar um gol daqueles? O jogador tocou duas vezes com a mão na bola"", afirmou, revoltado. "Se ele foi falar com o Luís Fabiano depois do gol, por que não veio me perguntar se aceitava esse gol?""

O técnico Sven-Goran Eriksson também estava inconformado com o lance, mas preferiu ressaltar os méritos da seleção treinada por seu ex-pupilo Dunga. "O Brasil defende e ataca bem. É um time muito organizado, extremamente bom na defesa"", disse.

O sueco entende que sua seleção fez boa partida, mas pagou caro pelos poucos erros que, na visão dele, cometeu. "Eles souberam aproveitar, são muito bons, não há o que contestar."" / A.L.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.