Frank Polich/Reuters
Frank Polich/Reuters

Bears bate Seahawks e pega o rival Packers por vaga no Super Bowl XLV

Rivalidade de 90 anos marca a final da Conferência Nacional da NFL, no próximo domingo

estadão.com.br,

16 de janeiro de 2011 | 21h21

SÃO PAULO - A final da Conferência Nacional da NFL contará com uma rivalidade história, já que o Green Bay Packers, que eliminou o Atlanta Falcons, terá pela frente o Chicago Bears, que venceu o Seattle Seahawks por 35 a 24. A final da NFC será no próximo domingo, em Chicago. O vencedor do confronto irá para o Super Bowl XLV, que será disputado no dia 6 de fevereiro, em Dallas.

A rivalidade entre Packers e Bears é a mais antiga da NFL. Ao todo são 181 jogos, com 92 vitórias para o time de Chicago e 83 para a equipe de Green Bay, além de seis empates. E, desde 1941 que os dois não se enfrentam numa partida de pós-temporada.

Para chegar à final da NFC, o Bears não subestimou o adversário que, apesar de terminar a temporada regular com um recorde negativo, conseguiu eliminar o atual campeão do Super Bowl, o New Orleans Saints. Com uma defesa sólida e o quarterback Jay Cutler seguro, o Chicago abriu 28 a 0 antes mesmo do intervalo. Depois, apenas administrou o placar para fechá-lo em 35 a 24.

O destaque da vitória do Chicago Bears foi Jay Cutler, que arremessou para 274 jardas, com dois touchdowns lançados e dois corridos. Pelo lado do Seahawks, Matt Hasselbeck, com 258 jardas e três passes para touchdown.

A nota preocupante do jogo fica por conta de John Carlson e Marcus Trufant, ambos do Seahawks. Os jogadores sofreram concussões e foram hospitalizados. "Tudo indica que eles estão bem", disse o técnico do time de Seattle, Pete Carroll. Carlson caiu sobre sua cabeça ainda no primeiro quarto, enquanto Trufant levou uma joelhada na cabeça ao tentar parar o recebedor do Bears, no terceiro quarto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.