Bebê brilha na Espanha, de olho na Olimpíada

Seguindo a recente "tradição" do garrafão brasileiro, depois de Nenê e Baby, o Brasil tem, agora, Lucas Bebê. Com 18 anos e 2,12 m, o garoto foi destaque na Copa América com médias de 15,4 pontos, dez rebotes e 5,4 tocos por partida. Talento que já foi reconhecido pelos estrangeiros. Afinal, Lucas atua no basquete espanhol desde 2009. O que não tira do menino o sonho de defender o Brasil na Olimpíada de 2016. "Seria muito gratificante mostrar o meu basquete na frente dos meus pais e dos meus amigos", diz o garoto, que começou no Central, de Niterói.

, O Estado de S.Paulo

20 de julho de 2010 | 00h00

Engana-se, porém, quem achava que a altura fez a escolha pelo basquete ser algo óbvio. "Eu queria, mesmo, ser jogador de futebol. Mas cresci muito." Admite que demorou um pouquinho para ganhar gosto pelo novo esporte. "Mas agora eu não jogo mais pelo tamanho. Agora eu gosto. Consegui muitas coisas com o esporte", enfatiza.

Animado com o resultado do Brasil, lembra que o começo da preparação foi difícil. "No começo, era todo mundo meio largado, não éramos um grupo." A falta de confiança também pesou no início. Até que o torneio nos Estados Unidos chegou, os objetivos começaram a ser alcançados e a decisão contra os donos da casa chegou. "Sofremos com os erros de arbitragem, mas foi bom termos ficado várias vezes à frente no placar. Os americanos botam muita marra, mas, do jeito que foi, mandamos o nosso recado." / A.R.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.