Belfort, 'em grande momento', tenta título contra Jon Jones

Brasileiro diz ter se preparado muito bem para encarar americano em luta pelo cinturão dos meio-pesados

PAULO FAVERO, O Estado de S.Paulo

22 de setembro de 2012 | 03h09

O brasileiro Vitor Belfort tem a chance hoje de conquistar o cinturão dos meio-pesados do UFC. Ele vai enfrentar o atual campeão Jon Jones em Toronto, no Canadá, em um evento que começa às 20 horas e terá mais 12 combates, entre eles os do também brasileiros Charles do Bronx contra Cub Swanson e Vinny Pezão Magalhães contra o croata Igor Pokrajac. "Estou me sentindo bem, confiante e fiz um ótimo treinamento para essa luta", diz Belfort, azarão nas apostas.

Aos 35 anos, o carioca já ganhou este mesmo cinturão em 2004, no UFC 46, quando derrotou Randy Couture. Também se considera o campeão dos pesados do evento, pois na edição 12 ganhou o torneio da categoria com apenas 19 anos e recebeu o apelido de Fenômeno. Mas como era em outro formato, o UFC não reconhece esse título e credita a Jon Jones, de 25 anos, a façanha de ser o campeão mais jovem da história. Vitor Belfort contesta e o norte-americano prefere não criar polêmica. "Ele é uma lenda e eu tenho muito respeito por ele e por suas conquistas", diz Jones.

Vitor sabe que foi um dos lutadores que mais ajudou no crescimento do MMA no Brasil. "Sei que dei uma contribuição importante para que a história deste esporte fosse construída e tenho muito orgulho disso, mas procuro viver o presente e hoje estou vivendo a expectativa de um combate especial, que pode me dar mais um título. Estou em um grande momento e muito bem preparado. Pensar em tudo que já vivi no esporte e me ver protagonizando mais este grande evento me faz sentir muito realizado profissionalmente."

Belo cartel. Dez anos mais jovem, o adversário é tido como um dos melhores lutadores do momento. Conquistou o cinturão em cima do brasileiro Maurício Shogun, na edição 128, no ano passado. Desde então passou por três defesas e não foi derrotado. Jones tem um cartel impressionante de 16 vitórias e apenas uma derrota e costuma ter como grande arma suas cotoveladas.

Vitor tem também suas armas. Além de especialista na luta de solo, pois foi formado na escola de jiu-jítsu de Carlson Gracie, tem no boxe um de seus pontos fortes e, por ser canhoto, oferecerá mais dificuldade para o oponente.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.