Bellucci chega perto, mas cede ao invicto Djokovic

Brasileiro abre 1 a 0, acaba sofrendo a virada e fica fora da decisão em Madri, que será entre o sérvio e Rafael Nadal

, O Estado de S.Paulo

08 de maio de 2011 | 00h00

Quase deu, mas não foi desta vez. O brasileiro Thomaz Bellucci começou bem o duelo contra o sérvio Novak Djokovic no Masters 1000 de Madri, na Espanha. Venceu o primeiro set e chegou a ficar a uma quebra à frente na segunda parcial. Mas, ao final, acabou sendo derrotado por 2 sets a 1 (4-6, 6-4 e 6-1).

Foi a 33.ª vitória consecutiva de Djokovic, que enfrenta na final de hoje, às 13h30 (horário de Brasília) o espanhol Rafael Nadal. Número 1 do mundo, Nadal derrotou também ontem seu eterno rival, o suíço Roger Federer (3.º do ranking) por 2 sets a 1 (parciais de 5-7, 6-1 e 6-3).

"Faltou pouco", disse Bellucci depois da partida. "Não é fácil jogar contra um tenista desse nível. Falhei em algumas bolas que eu não deveria ter falhado."

Apesar da derrota, o tenista brasileiro - treinado pelo técnico Larri Passos - demonstrou otimismo com os resultados da semana. "Aprendi que posso ganhar de muitos bons jogadores", disse Bellucci. "Essa semana joguei muito bem."

Com 23 anos e na 36.ª posição do ranking mundial, Bellucci derrotou no torneio dois tenistas top 10 - o escocês Andy Murray e o checo Tomas Berdych. Por causa disso, chegou a ser chamado de "matador de gigantes" pela ATP e, agora, deve saltar para o 22.º lugar do ranking.

Bellucci contou que sentiu dores durante a partida. No início da parcial decisiva, chegou até a pedir atendimento médico. No entanto, o tenista afirmou que não há razão para preocupações. "Quando acabou o segundo set senti um pouco a perna, mas não é nada grave. Os tenistas nunca jogam uma semana inteira sem ter alguma dor."

Em quadra. Bellucci dominou o primeiro set e deu trabalho ao número 2 do ranking com um serviço primoroso. Conseguiu manter Djokovic na defensiva e, assim, conquistou a vitória na parcial inicial.

O brasileiro começou o segundo set no mesmo ritmo, e chegou a abrir 3-1 no placar. Tudo indicava que Bellucci poderia derrubar a invencibilidade do sérvio. Contudo, Djokovic quebrou o serviço dele e acabou por fechar o set.

Ao contrário dos dois primeiros sets, no último foi Djokovic quem começou melhor. Com dores na perna, Bellucci precisou ser atendido pelos médicos e, apesar de voltar ao jogo, não demonstrou o mesmo rendimento do início do confronto, errando muitas bolas. O sérvio, então, administrou a vantagem, fechou o set (6-1) e garantiu lugar na final.

Nadal x Federer. Na outra ponta da tabela, Nadal bateu Federer pela segunda vez consecutiva em uma partida que durou 2h30. O jogo começou morno, com erros de ambos os tenistas. Nadal saiu na frente e marcou 2-0. Mas Federer acabou se recuperando, virou o placar e fechou o primeiro set: 5-7.

Jogando em casa e apoiado pela torcida, Nadal voltou ao segundo set disposto a sair de quadra com a vitória. Abriu 4-0 e, depois de um lance polêmico em que Federer reclamou com o juiz (e foi vaiado pelo público), fechou o set por 6-1. Na última parcial, Nadal continuou melhor em quadra. Fechou o set com um 6-3 e garantiu a vaga na final contra Djokovic. Depois de vencer o suíço pela 16.ª vez, declarou: "Jogar com Federer sempre causa uma satisfação especial.

A decisão de hoje coloca em quadra os melhores jogadores do ranking da ATP. Vai ser um duelo e tanto. Nadal e Djokovic já se enfrentaram 25 vezes - em 16 delas, o espanhol levou a melhor. Além disso, nas 9 vezes em que se encontraram no saibro, Nadal foi sempre o vencedor. E hoje ainda joga em casa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.