Belluzzo discute com torcedores e garante Luxemburgo no comando

Assim que Vanderlei Luxemburgo encerrou sua entrevista no vestiário do Centenário, o assessor de imprensa do Palmeiras avisou aos jornalistas que o vice-presidente Gilberto Cipullo faria um pronunciamento. Falou o que todos esperavam: "Não há a menor chance de mudarmos o comando técnico neste momento." A novidade foi a discussão que o presidente Luiz Gonzaga Belluzzo havia tido com membros da Mancha Alviverde poucos minutos antes, na arquibancada. Diante da pressão de torcedores que exigiam a saída do técnico, Belluzzo berrava: "O Vanderlei não vai sair! Não vai!" Depois, o presidente manteve a postura: "Já enfrentei a ditadura militar e não vou correr de meia dúzia de moleques! Não admito que ninguém venha exigir isso ou aquilo." Luxemburgo se disse feliz pelo apoio da diretoria, mas triste com os protestos. "É lamentável que, antes do jogo, eu seja recebido com gritos de ?mercenário? pela Mancha Alviverde."Em São Paulo, vândalos picharam ontem à noite os muros do Palestra Itália, protestando pela saída do treinador.O goleiro Marcos reclamou que sofreu pênalti no final do jogo, quando se mandou para o ataque. "Fui empurrado, mas o juiz não daria aquele pênalti nem a pau", disse. "Mesmo se matassem alguém na área ele não apitaria nada aqui e àquela altura do jogo..."O atacante Obina, arrasado, lamentou os gols perdidos. "Eu acho que fiz direitinho, desviei a bola de cabeça tentando tirar do goleiro", disse ele, sobre o lance ocorrido aos 40 minutos do segundo tempo. "Mas, infelizmente, ela não entrou."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.