Ben Johnson: o dinheiro leva ao doping

O ex-atleta canadense Ben Johnson resumiu a uma "questão de dinheiro" o que ocorreu na final dos 100 metros nos Jogos de Seul, em 1988, quando venceu no tempo recorde de 9s79 para em seguida protagonizar um dos maiores escândalos da história do atletismo, ao ter antidoping positivo para esteróides. Johnson, que tenta reeditar o que chama de "a maior corrida de todos os tempos", admitiu, em entrevista à rádio BBC, que "ambição, dinheiro, prestígio e glória", dominam o atletismo. "O dinheiro leva ao doping."O canadense, que foi banido do esporte em 1993 pelo segundo antidoping positivo, está tentando reeditar a final dos 100 m - "há pessoas que querem vê-la outra vez" -, mas Linford Christie, que ficou com a prata após a desclassificação de Johnson, disse que não está interessado e não se sabe se Carl Lewis, que herdou o ouro, foi convidado.Johnson aproveitou para defender o velocista inglês Dwain Chambers, suspenso por dois anos por uso de THG, que alega ter ingerido em suplementos alimentares. "Espero que ele volte a correr."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.