Bernardinho cria zona de desconforto

Os jogadores da seleção brasileira masculina de vôlei terão uma surpresa nareapresentação da equipe, a partir de 1.º de abril, no Rio. O técnico Bernardo Rezende, o Bernardinho, vai esperar os jogadores com uma novidade, que já batizou com o nome de "zona de desconforto", e que, na prática, significa dificultar ainda mais a vida dos jogadores. Bernardinho, que tem fama de durão, é obcecado por trabalho, não suporta a derrota, quer atletas comprometidos com o objetivo da temporada de vencer todos os torneios que jogar e conquistar a vaga para a Olimpíada de Atenas, em 2004, que estará em disputa na Copa do Mundo do Japão, em novembro. O técnico participou, hoje, de uma sala de esportes no I Congresso Internacional de Treinamento Esportivo, realizado pelo Centro de Excelência Esportiva, em São Paulo. Bernardinho observa que a ?zona de desconforto? pode se traduzir, na prática, em adiantar os treinos da manhã em uma hora - o que significa ter de levantar mais cedo - ou diminuir ainda mais as folgas. "Eu abomino desperdício de tempo e talento." Osjogadores mais velhos e famosos, segundo o técnico, serão ainda mais cobrados porque têm de ser o exemplo. "Queremos monitorar o grau de comprometimento deles." O título de campeão do mundo, a fama e as propostas que acompanham o sucesso, são uma "sedução" muito forte e que podem atrapalhar o futuro, na avaliação do treinador. "As gerações de prata (em Los Angeles/84) e de ouro (em Barcelona/92) caíram em algumas armadilhas. O que garante o resultado? O trabalho. O jogador tem de estar disposto a fazer o sacrifício." O mesmo empenho que obteve das meninas nos sete anos em que trabalhou com a seleção feminina, quer agora da equipe masculina. Observa que para acompanhar forças como Itália, Rússia, França, Polônia, Iugoslávia, República Checa e Estados Unidos, o Brasil, que tem um time baixo, terá de trabalhar muito. "São dois aspectos. Precisamos ter atenção redobrada com os detalhes técnicos e táticos, e um grupo totalmente envolvido com o trabalho."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.