Jonne Roriz/AE
Jonne Roriz/AE

Bernardinho critica 'apagão', mas aprova atuação de Giba

Técnico afirmou que falhas da equipe não podem se repetir contra adversários mais fortes do Grupo B, como EUA e Rússia

SÍLVIO BARSETTI, enviado especial, O Estado de S. Paulo

29 de julho de 2012 | 20h25

LONDRES - A seleção brasileira masculina de vôlei teve uma estreia sem sustos na Olimpíada de Londres, mas ainda assim o exigente Bernardinho apontou erros de concentração na vitória por 3 sets a 0 sobre a Tunísia. Na visão do treinador, essas falhas não podem se repetir diante dos adversários mais fortes do Grupo B, entre eles Estados Unidos e Rússia.

"Tivemos altos e baixos. O saque entrou bem e é importante que ele funcione, mas o time também precisa ter continuidade. Tivemos muitos momentos descontínuos. Não podemos ter esses ''breaks'' negativos, contra adversários mais fortes esses apagões podem complicar", analisou Bernardinho.

O central Lucão, maior pontuador brasileiro ao lado de Murilo, com nove acertos, concordou com o treinador. "O primeiro set foi praticamente perfeito, jogamos muito bem na parte ofensiva. Depois, a gente relaxou e deu uma baixada, o que é normal. Mas depois de amanhã [terça-feira] isso não pode acontecer porque [o adversário] é a Rússia", afirmou.

RECUPERADO

O ponteiro Giba mostrou estar recuperado da cirurgia na tíbia a que foi submetido em fevereiro deste ano. Ele entrou no segundo set, teve desenvoltura para atacar e defender e terminou o jogo com quatro pontos. "O Giba teve boa participação", elogiou Bernardinho.

A Olimpíada de Londres é a quarta de Giba, e a que representará sua despedida com a camisa da seleção. Mas o ponteiro diz que ainda não pensa no adeus. "É [como se fosse] meu primeiro jogo e a minha primeira Olimpíada. Estou pensando em curtir, festejar. Estou do lado de pessoas que gosto e tenho só que aproveitar."

Giba ainda previu que a seleção dará a volta por cima, depois de ter ficado em sexto lugar na Liga Mundial. "Esse negócio de ''O Brasil já passou'', eles [os adversários] também falaram em Pequim e a gente chegou na final. Vamos comer pelas beiradas. A gente está aqui para a medalha olímpica, não estamos aqui para participar."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.