Bernardinho exalta rivais e prevê equilíbrio no vôlei

Para treinador, vitória contra Tunísia domingo é essencial; Ricardinho vê grupo "fortalecio" após fracassos

AE, Agência Estado

28 de julho de 2012 | 11h55

LONDRES - Bernardinho mostrou estar receoso e atento para os Jogos Olímpicos de Londres. Preocupado com a qualidade dos principais concorrentes, o treinador lembrou a campanha ruim na Liga Mundial da seleção brasileira masculina de vôlei e assegurou que a competição olímpica será uma das mais disputadas dos últimos tempos.

A estreia brasileira será neste domingo contra a Tunísia, considerada a seleção mais frágil do Grupo B, que conta também com Estados Unidos, Sérvia, Rússia e Alemanha. "Já sofremos algumas derrotas significativas, como a perda da Liga Mundial em casa em 2008. Temos que saber lidar com isso", avisou o treinador, minimizando o resultado na Liga Mundial, em que a seleção sequer chegou à semifinal.

"Esta edição dos Jogos é uma das mais equilibradas de todos os tempos. A Rússia é uma forte concorrente ao ouro. Os Estados Unidos são sempre um adversário difícil de bater. A Sérvia é tradicionalmente um dos nossos grandes rivais. E a Alemanha, que, embora não tenha tanta tradição, se classificou vencendo Cuba e República Tcheca", avaliou o treinador.

Diante de tantos adversários complicados, Bernardinho salientou que a seleção brasileira pode esperar somente um resultado para a partida de estreia: "Ninguém pode tropeçar contra a Tunísia", destacou.

O levantador Ricardinho, por sua vez, mostrou confiança e opinou que os resultados ruins na Liga Mundial também têm um lado positivo. "Não fizemos uma boa Liga Mundial, mas senti o grupo muito fortalecido depois da derrota. É bom porque passamos a comer a sopa pelas beiradas", ponderou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.