Bernardo, destaque do País em Aachen

No Concurso Internacional de Saltos de Aachen, na Alemanha, encerrado neste domingo, após cinco dias e um público recorde de 299 mil pessoas, o destaque brasileiro foi o estreante Bernardo Rezende Alves. Montando Oberon, ele foi o 10º colocado no Grande Prêmio de Aachen, com obstáculos a 1,60 m de altura, embaixo de chuva - prova considerada o maior desafio do hipismo -, entre 40 conjuntos do mundo todo. Bernardo somou 4 pontos perdidos por uma falta, em duas passagens, no tempo de 101s46 - um segundo a mais que o quarto colocado, o conjunto alemão Thomas Voss/Clinton, com 100s18 (também com 4 pontos perdidos). "Por um segundo deixei escapar a posição. Mas acho que não posso reclamar de nada. Fiquei satisfeitíssimo com o resultado", afirmou o brasileiro. "Nessa prova, não tem nenhum cavaleiro com um conjunto formado há menos de dois anos", observou Bernardo, está montando Oberon há cerca de 30 dias.O GP de Aachen foi vencido pelo campeão olímpico dos Jogos de Sydney, o holandês Jeroen Dubbeldam, que montou De Sijiem, o único entre os 40 conjuntos a completar dois percursos sem faltas, em 101s18. O alemão Rene Tebbel, com Stiegelmaier´s Radiator, foi o segundo (4 pontos perdidos e 95s96) e o norte-americano Beezie Madden, com Innocence, o terceiro (com 4 pontos perdidos e 98s00). "O percurso estava exigente e o único zero foi de um conjunto que ganhou a Olimpíada", frisou Bernardo.No balanço, Bernardo apontou um saldo que considerou positivo para quem chegou à Europa há 40 dias: 6º lugar e o 10º deste domingo, nas provas da série forte, com Oberon; um 1º e um 2º, com Diva (obtido domingo, com 49s20), nas provas rápidas, do tipo caça; e um 7º, com Nepal, em uma disputa da série intermediária. Bernardo, que voltará a competir após as duas semanas reservadas para o descanso dos cavalos, continuará em Ligny, Bélgica, no Haras de Nélson Pessoa, o Neco, até agosto. No sábado, ele viaja para San Diego para o casamento de Rodrigo Pessoa com a norte-americana Keri Porter.Aachen foi o quarto concurso desse mineiro de Belo Horizonte, que monta desde os 5 anos - aprendeu com Vítor Alves Teixeira. Desde que chegou à Europa, esse foi o desafio máximo. "Incrível, acho que eu nunca tinha saltado essa altura (referia-se à pista de 1,60 m). Mas após alguns dias eu estava tranqüilo." Considerado uma pessoa fria, que não se abala nem com um público como o deste domingo, de 45 mil pessoas, agora Bernardo está atrás de experiência. "Preciso competir mais aqui para chegar a ter a experiência do Rodrigo, já que a frieza é também uma de minhas características."Outro conjunto que representou o Brasil, o cavaleiro Álvaro Afonso de Miranda Neto, o Doda, montando Audi Aspen, foi o 22º colocado no GP de Aachen, com 8 pontos perdidos por falta, no tempo de 100s70.

Agencia Estado,

17 de junho de 2001 | 15h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.