Bezerrão se transforma em réplica do Morumbi

Estádio do Gama, que tem o verde como cor predominante, foi tomado pela torcida do São Paulo, empolgada para ver o time ganhar o 6.º título

Giuliander Carpes, BRASÍLIA, O Estadao de S.Paulo

08 de dezembro de 2008 | 00h00

Desde cedo, o Distrito Federal respirava futebol, respirava decisão, respirava São Paulo. Durante toda a manhã, milhares de são-paulinos chegaram à cidade. Praticamente todos os hotéis de Brasília tinham filas no check-in. Tudo pelo hexa.No início da tarde, o Bezerrão, que é pintado de verde, as cores do Gama - e do Goiás, adversário de ontem - se transformou aos poucos num caldeirão tricolor. Praticamente 90% do estádio foram tomados por são-paulinos, que invadiram até o setor reservado para os torcedores goianos. Nem a chuva calou a torcida, que apoiou o time o tempo todo. "Parecia o Morumbi", disse Dagoberto. "A cidade nos acolheu muito bem."TORCEDOR BALEADOO 9º Batalhão de Policiamento do Gama destacou um efetivo de 1.100 homens para o esquema de segurança. A rivalidade entre os torcedores são-paulinos e goianos preocupava as autoridades. E fez uma vítima. O são-paulino Nilton César de Jesus, de 26 anos, foi baleado na cabeça, antes do jogo, e há suspeita de que o tiro teria sido disparado por um policial. Nilton, presidente de honra da Dragões da Real, uma uniformizada do São Paulo, foi levado para o Hospital de Base e tomografia constatou lesão cerebral. Até o final da noite, seu estado era considerado gravíssimoO uso de armas de fogo foi uma das principais preocupações do São Paulo. Antes do início da partida, os policiais militares que faziam a segurança da delegação estavam todos armados. A direção são-paulina reclamou. "Nunca vi isto ", disse Marco Aurélio Cunha, superintendente de futebol do clube.No início do segundo tempo, caiu um forte temporal no Bezerrão. O campo agüentou bem, mas a estrutura mostrou suas deficiências. Sem cobertura, os torcedores se molharam e as improvisadas cabines de imprensa, cobertas por uma frágil estrutura de plástico, ficaram inundadas em minutos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.