Bicampeã, Argentina é a maior ausência nos Jogos londrinos

A ausência da Argentina, atual bicampeã olímpica, é a principal surpresa no futebol em Londres. O time deixou escapar a vaga no último Sul-Americano Sub-20 e, assim, perdeu a chance de exibir novos talentos como o meia Pastore, cotado para ser o futuro maestro da seleção principal. Outra potência a ficar fora é a Alemanha de Thomas Müller, do Bayern de Munique, destaque da Copa do Mundo de 2010.

O Estado de S.Paulo

26 de fevereiro de 2012 | 03h11

No torneio classificatório do Peru, a Argentina chegou invicta ao hexagonal final, mas tropeçou na zebra Equador. Única a vencer o Brasil na competição, foi eliminada ao perder para o Uruguai (1 a 0), em jogo duro.

Finalista em três das últimas quatro Olimpíadas, a equipe argentina levou o ouro em Atenas-2004 e Pequim-2008. Na última edição, liderada por Messi e reforçada por Riquelme, despachou com incrível facilidade o Brasil, de Ronaldinho Gaúcho, por 3 a 0 na semifinal.

Neste ano, o principal nome seria o jovem Pastore, do francês PSG. Aos 23 anos, é uma espécie de Paulo Henrique Ganso dos argentinos - tido como o substituto de Riquelme para a seleção principal. Outra promessa a ficar fora do Jogos é Iturbe, de 18 anos, atacante que atualmente defende o Porto, de Portugal.

A última vez que a Argentina havia ficado de fora do torneio olímpico tinha sido nos Jogos de Sydney, em 2000.

Pelo caminho. A seleção alemã, que chamou a atenção pela juventude no Mundial de 2010, tampouco conseguiu garantir uma das vagas europeias para Londres. Derrotada pela Islândia nas fases de classificação, a equipe tinha em seu elenco o zagueiro Holger Badstuber e o meia Thomas Muller, as duas principais apostas do Bayern de Munique.

No continente africano, melhor para o Brasil que Gana ficou pelo caminho. Com vários jovens atletas que atuam na Europa, os ganenses bateram a seleção sub-20 brasileira na decisão do Mundial da categoria no Egito, em 2009 - Paulo Henrique Ganso era um dos que estavam em campo naquela derrota, em disputa por pênaltis.

Camarões e Nigéria, únicos países da África a ganharem a medalha de ouro olímpica no futebol, também ficam fora após participarem em Pequim. / B.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.