Bicampeão, Amaury exige basquete melhor

Amaury Pasos, um dos melhores jogadores de basquete do Brasil em todos os tempos - bicampeão mundial de 1959 e 1963, além das medalhas olímpicas de bronze em 1960 e 1964 -, exige reação do País nesse esporte. Ele lamenta a ausência do time masculino brasileiro em Olimpíada pela segunda vez consecutiva - algo inédito desde a estréia, em 1936 -, após mau desempenho no Pré-Olímpico de Porto Rico, em setembro, apesar do título nos Jogos Pan-Americanos."Temos tradição no basquete. É pena ficar fora de novo", comenta Amaury, que, aos 68 anos, ainda joga em times de Masters de São Paulo, depois de defender Tietê, Sírio e Corinthians. "O erro foi acreditar que o título do Pan fosse garantia de sucesso. O Pan é ilusão, uma competição decadente, em que os países fortes aparecem desfalcados dos melhores atletas."Para ele, o basquete brasileiro tem revelado excelentes jogadores, mas precisa de mais apoio de clubes e da mídia: "A televisão mostra a NBA e ignora nossas disputas."Kanela ? técnico da seleção na época dos títulos mundiais, falecido em 1992 ? apontava Amaury como o mais completo jogador da história do basquete brasileiro. Amaury jantou na segunda-feira com os ex-jogadores Jathyr, Abrão e Haddad e com o ex-dirigente Aldo Narcisi e comentou: ?Tento evitar ser saudosista, mas já tivemos basquete de pouco dinheiro e muitas qualidades. Precisamos começar a melhorar e cada um deve dar sua contribuição.?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.