Bicampeão olímpico, Moses garante: 'Nunca haverá outro como eu'

BUDAPESTE - Sem perder durante dez anos nos 400 metros com barreiras, em 107 corridas consecutivas, e bicampeão olímpico da modalidade, o americano Edwin Moses disse hoje que não imagina que alguém possa quebrar sua marca de invencibilidade.

Efe

10 de setembro de 2010 | 15h50

"Duvido. Nunca haverá outro como eu", disse o ex-atleta, em Budapeste, onde ele acompanhará o Mundial de triatlo na condição de presidente da Academia Laureus do Esporte.

Bicampeão olímpico dos 400 metros com barreira em 1976 e 1984, o americano poderia ter conquistado o tri, em 1980, mas boicotou os Jogos de Moscou, em 1980.

"O tempo vai passando, e as pessoas começam a dar a importância que temos pela sequência de triunfos. Acho que ninguém vai voltar a fazer algo assim, incluindo Jogos Olímpicos e demais. É um período longo de tempo", comentou, para depois dizer que nem o jamaicano Usain Bolt, atual campeão e recordista olímpico e mundial dos 100 e 200 metros rasos.

"Desde que venci 122 corridas (no total, e não consecutivamente), houve vários atletas que alcançaram sequências de vitórias. Inclusive acho que Usain Bolt não chegou nem a vinte corridas antes de perder", disse o ex-atleta.

O presidente da Academia Laureus destacou também que é lembrado inclusive em marcas de invencibilidade em modalidades fora do atletismo: "o importante para mim é que há gente que quando fala de suas longas séries, como Roger Federer, se refere a mim, mesmo 20 anos depois. Isso faz com que eu me sinta bem".

Por fim, Moses comentou ainda que ganhar muitas vezes pode ser comparado a perder em sequência.

"Ganhar muito é tão chato quanto perder muito, não há muita diferença. A diferença é que você se sente melhor", afirmou, entre risos, para depois explicar: "a quantidade de esforço é a mesma, independentemente se você ganha ou perde. É o mesmo volume de treinos. Portanto ganhar ou perder é relativo."

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoEdwin MosesOlimpíadas

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.