Martin Bureau/AFP
Martin Bureau/AFP

Big Ben soará fora do horário na abertura da Olimpíada

Símbolo inglês, o relógio marcará o início dos Jogos Olímpicos em Londres

Daniela Milanese, AE

24 de julho de 2012 | 08h58

LONDRES - Para marcar o dia da abertura da Olimpíada de Londres, o Big Ben vai soar fora dos seus horários tradicionais. O sino se juntará às badaladas coletivas de todo o Reino Unido às 8h12 da manhã (4h12 de Brasília) da próxima sexta-feira, dia 27 de julho. Na torre no parlamento, o ícone britânico tocará 40 vezes, ao longo de três minutos.

O dia 15 de fevereiro de 1952, quando soou a cada minuto por 56 vezes a partir das 9h30 da manhã durante o funeral do rei George VI, pai da rainha Elizabeth II, foi o último em que o protocolo do Big Ben foi quebrado. "Será um dia excepcional", afirmou Ruth Mackenzie, diretora do festival cultural Londres 2012. "É absurdamente excitante."

Normalmente, o Big Ben dá suas badaladas a cada 15 minutos. Desta vez, será preciso um processo manual para o funcionamento num horário quebrado. A homenagem foi autorizada pelo líder do parlamento britânico, John Bercow, que participará da cerimônia.

O evento extraordinário faz parte das celebrações culturais do país ao longo da Olimpíada. Toda a população está sendo chamada a tocar sinos, de qualquer tipo, das 8h12 às 8h15 da próxima sexta-feira. O resultado irá compor o trabalho do artista Martin Creed, numa peça intitulada "Todos os sinos num país tocam o mais rápido e mais alto possível por três minutos".

A iniciativa contará com a participação de todos os parlamentos do país (Inglaterra, Escócia, País de Gales e Irlanda do Norte), marinha, força área, exército, embaixadas ao redor do mundo e até mesmo da expedição britânica na Antártida.

Também está disponível, gratuitamente, um aplicativo para celulares contendo sons de sinos preparador por Martin Creed, que pode ser usado no momento da celebração.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.