Bimba dá adeus a classe Mistral

O velejador Ricardo Winick, o Bimba, não voltou a competir num torneio internacional após o quarto lugar da Olimpíada de Atenas - na Grécia, esteve muito perto das medalhas de ouro, de prata e de bronze e viu todas escaparem no último dias das competições da classe Mistral. Bimba volta a um torneio importante, o Mundial de Palermo, a partir desta terça-feira e até o dia 20. Na Itália, Bimba faz o seu último Mundial na classe, que não será mais olímpica. A Federação Internacional de Vela (Isaf) trocou a Mistral por um novo modelo de prancha, a New Pride que estará em disputa nos Jogos de Pequim, em 2008. Este será um ano de testes e adaptação ao novo equipamento que custa cerca de 3 mil Euros e ainda não está disponível aos velejadores. "A prancha nova foi escolhida pela Isaf, a partir de um protótipo apresentado pela New Pride. Mas o modelo original tinha duas velas e a Isaf pediu adaptações. Queria uma prancha com uma vela só", explica Bimba, de 25 anos. O iatista também precisa ganhar peso para controlar a New Pride. "Pesava 68 quilos, estou com 72, mas terei de chegar a 75." Ainda este ano, cinco velejadores estrangeiros vão se juntar ao brasileiro, em Búzios, para testar a New Pride. "Vamos treinar sem segredos, abrir o jogo sobre como tirar o máximo das pranchas", conta Bimba. O Mundial não pode ser considerado "de troco" nos rivais da Olimpíada. Bimba não acredita que eles estarão em Palermo. "Após a Olimpíada alguns pararam. O israelense (Gal Fridman), campeão olímpico, por exemplo, decidiu descansar dois anos", diz Bimba, que tem o patrocínio da Oi e da Prefeitura de Búzios. Sua participação no Mundial foi financiada pela Federação Brasileira de Vela e Motor. Após o Mundial, Bimba segue para Málaga (ESP) para treinar com Ivan Pastor, que se prepara para os Jogos Mediterrâneos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.