Valentin Flauraud/Keystone
Valentin Flauraud/Keystone

Blatter diz que aceitará veredicto em apelação na CAS: 'Confio que será positivo'

Ex-presidente da Fifa foi afastado do futebol por seis anos após pagar US$ 2 milhões a Platini em 2011

Agência Estado, Estadão Conteúdo

25 Agosto 2016 | 10h39

O ex-presidente da Fifa Joseph Blatter aceitará o veredicto final da Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês), segundo afirmou na manhã desta quinta-feira, antes do julgamento de sua apelação. Blatter foi afastado por seis anos do futebol, após envolver-se em um caso de conflito de interesses.

"Aceitarei o veredicto. Confio que será positivo para mim", assegurou o ex-presidente da Fifa. "Meu nome não seria Sepp Blatter se eu não tivesse fé, se eu não fosse otimista. Aceitarei o veredicto porque, no futebol, nós aprendemos a ganhar, o que é fácil, e também aprendemos a perder. Mas isso não é bom, e não gostaria de perder", ponderou.

As declarações de Blatter sugerem que ele não levará o caso à Justiça comum mesmo em caso de derrota. Em maio, durante apelação semelhante à do suíço, o ex-presidente da Uefa Michel Platini teve apenas sua pena diminuída de seis para quatro anos. A expectativa é que o veredicto de agora seja similar.

O suíço de 80 anos é suspeito de ter pago indevidamente US$ 2 milhões a Platini em 2011. Eles foram suspensos por oito anos, mas a pena foi diminuída após julgamento realizado no começo do ano. Blatter, ainda assim, recorreu à CAS, em apelação que começa a ser analisada nesta quinta.

Os dirigentes argumentam que o pagamento era um salário atrasado por um serviço prestado nove anos antes. Mas os juízes e o Ministério Público da Suíça suspeitam que o dinheiro era um pagamento para que o francês não se apresentasse como candidato nas eleições da Fifa daquele ano.

Suspenso desde o final de 2015, Blatter renunciou à presidência da Fifa e não pôde sequer estar presente na eleição que apontou seu substituto, vencida pelo ex-secretário-geral da Uefa Gianni Infantino, em fevereiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.