AP Photo/Nariman El-Mofty
AP Photo/Nariman El-Mofty

Velocista nigeriana é suspensa por 10 anos após doping e não cooperar com investigações

Medalha de Prata em Pequim, Blessing Okagbare estava suspensa previamente desde julho, quando se preparava para disputar os Jogos de Tóquio

Redação, O Estado de S.Paulo

18 de fevereiro de 2022 | 16h09

A Unidade de Integridade do Atletismo (IUA, na sigla em inglês) anunciou nesta sexta-feira que a velocista nigeriana Blessing Okagbare foi banida das competições por 10 anos por doping e por não cooperar com as investigações. "O Comitê Disciplinar baniu a nigeriana Blessing Okagbare por um total de 10 anos, cinco pelo uso de múltiplas substâncias proibidas e outros cinco pela recusa em cooperar com a investigação ao seu caso", informou a entidade em um comunicado oficial.

Okagbare, de 33 anos, foi suspensa previamente das competições em julho do ano passado, quando participaria da prova dos 100 metros nos Jogos Olímpicos de Tóquio-2020, no Japão. Na ocasião, ela testou positivo para hormônio de crescimento humano.

A nigeriana também testou positivo para eritropoietina em um teste surpresa, fora de competições, em junho do ano passado. Ela negou todas as acusações e optou por não colaborar com as investigações, o que gerou uma punição ainda maior por parte do Tribunal Disciplinar.

O diretor da IUA, Brett Clothier, recebeu "com satisfação a decisão do tribunal disciplinar" e assegurou que "uma punição de 10 anos é uma mensagem forte contra tentativas esforços deliberados e coordenados para trapacear ao mais alto nível.

Okagbare foi medalha de prata no salto em distância nos Jogos Olímpicos de Pequim, em 2008, na China. "O sistema esportivo da Nigéria tem falhas e nós, os atletas, somos vítimas colaterais", lamentou Okagbare após a sua suspensão, em um comentário na sua conta oficial no Twitter. A nigeriana faz parte de um grupo de altíssimo nível radicado na Flórida, nos Estados Unidos, e treinado pelo americano Rana Reider.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.