Bloemfontein vê nova divisão: ingleses e alemães

Cidade que amargou os tempos do apartheid viu ontem suas ruas separadas pelas duas torcidas rivais

Jamil Chade, O Estado de S.Paulo

28 de junho de 2010 | 00h00

No século passado, Bloemfontein conseguiu resistir à invasão dos ingleses na Guerra dos Boers. Ontem, cedeu à invasão de torcedores. Bastião do conservadorismo na África do Sul, a pacata região presenciou ontem um desembarque de 25 mil ingleses e 10 mil alemães, elevando em apenas um dia a população local em mais de 10%. Mas a invasão de torcedores mostrou os limites de uma cidade pequena e sem estrutura.

Com um dos menores estádios do Mundial (capacidade para 41 mil pessoas), Bloemfontein viveu dia de caos. Nos shoppings, restaurantes acumulavam filas de mais de uma hora, , enquanto a disputa por um espaço na sala de imprensa era intensa.

Hotéis abarrotados comemoraram os lucros, enquanto taxistas aproveitavam para trabalhar dia e noite. A dificuldade, porém, era para os turistas e torcedores. Alguns, que chegaram no sábado à noite, confessaram que ficaram nos bares até a manhã seguinte por falta de quartos.

Na sexta-feira, os bares da cidade foram alertados que teriam de estocar cerveja para a chegada de ingleses e alemães. As leis locais estabelecem que não se pode vender álcool em lojas aos domingos, mas a regra foi abolida.

Divisões. Acostumadas com a segregação racial que por décadas era lei e hoje é a regra não declarada, a cidade viu ontem uma nova divisão. Ingleses ocuparam bares e restaurantes na Second Avenue, enquanto os alemães estabeleceram suas bases do lado oposto da rua. Não demorou para que as provocações começassem. Ironizando ainda a derrota alemã na Segunda Guerra Mundial, os ingleses levaram para as ruas aviões infláveis simulando ataques aéreos e faziam saudações nazistas. No estádio, a torcida inglesa quebrou protocolo que vinha sendo respeitado na Copa e vaiou o hino alemão. Ao final do jogo, porém, os alemães riram por último e deram o troco nas provocações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.