Simon Bruty/Reuters
Simon Bruty/Reuters

BMX freestyle tem estreia olímpica e levanta público nos Jogos da Juventude

Modalidade estará no programa da Olimpíada de Tóquio, em 2020

Paulo Favero / Enviado Especial / Buenos Aires, O Estado de S.Paulo

12 de outubro de 2018 | 05h03

Esqueça o silêncio total para a concentração dos atletas. Na disputa do BMX freestyle park, modalidade do ciclismo que estreou nesta edição dos Jogos Olímpicos da Juventude e estará no programa da Olimpíada de Tóquio, em 2020, a música alta serve de combustível para os competidores saltarem rampas e fazerem manobras ousadas. A cada voo, o público vai ao delírio.

Na região mais turística de Buenos Aires, em Puerto Madero, o Parque Urbano tem recebido milhares de fãs para acompanhar a disputa do BMX freestyle, além de basquete 3 x 3, escalada esportiva, remo, canoagem e até o breakdance. Apenas esta última não estará nos Jogos de Tóquio. “Foi uma jogada de mestre a inclusão dessas modalidades”, disse a ciclista brasileira Duda Penso, que competiu na quinta-feira.

A garota de Francisco Beltrão, no Paraná, fez uma boa apresentação, melhor que no dia anterior, mas ficou longe do pódio, na sexta posição. Wesley Moraes, o representante brasileiro no masculino, foi um pouco pior. “A experiência aqui valeu demais. Competi com pessoas de alto nível e agora é treinar cada vez mais. Já competi na minha cidade, mas nunca nesse nível, com muitas pessoas vibrando”, afirmou o garoto, elogiando a atmosfera local.

O público realmente vibrou bastante, ainda mais por causa da medalha de ouro conquistada pela Argentina. Para Duda, a experiência valeu a pena, mesmo sem o pódio. “Eu pretendia ter ido muito melhor, principalmente no primeiro dia. O que mais queria era a medalha, mas acabei caindo na primeira volta e isso é coisa que acontece no esporte”, comentou.

Para ela, a modalidade vai crescer bastante ao se tornar olímpica. “A inclusão dessas novas modalidades é fundamental para o crescimento do movimento olímpico. Acho incrível ter o BMX freestyle, o basquete 3x3, a escalada, além do surfe e do skate, no programa dos Jogos, pois isso vai atrair muito mais o público jovem em torno do esporte”, explicou.

Ela começou a andar em sua cidade no interior do Paraná desde pequena. Quando ganhou a primeira bicicleta, gostava de pular a calçada e montava rampinhas com tijolo e madeira. Foi então que viu, perto da casa de sua avó, que algumas pessoas andavam de bicicleta em uma pista de skate que ficava próxima. Então ela começou a praticar, mesmo sem o equipamento adequado, até conseguir juntar dinheiro e ter uma bicicleta melhor. Foi aí que passou a evoluir rápido.

Claro que a pista de sua cidade é mais simples que as usadas em competições internacionais. Em Francisco Beltrão, o piso é de cimento. Logo, quando um atleta cai, a chance de se machucar é maior. “Os tombos são imprevisíveis e acontecem com frequência. Já quebrei dente, tive várias torções no pé, mas de tanto que gosto do esporte vou me acostumando”, contou. “Já fui várias vezes para São Paulo, que é um grande polo do BMX, e também fui para os Estados Unidos. A preparação para os Jogos da Juventude foi intensa”, completou.

Para ela, os Jogos de Tóquio estão logo ali. “Todo atleta que está aqui sonha estar em Tóquio daqui a dois anos ou em Paris, em 2024. Tudo depende de garra, treino e determinação, e isso não vai faltar. Vou ralar cada vez mais para ir em busca dessa vaga. O nível olímpico é ótimo, mas eu fiquei em quarto no Mundial juvenil, fiquei entre as seis do mundo no adulto. Estou na briga”, disse.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.