Reprodução
Reprodução

BNDES diz que dinheiro do auxílio só depende da assinatura de canoístas

Atletas alegam que COB arcou com os pagamentos por oito meses

Estadão Conteúdo

04 de setembro de 2015 | 14h57

O BNDES emitiu nota no início da tarde desta sexta-feira para negar que haja atraso na remuneração dos atletas da seleção brasileira masculina de canoa, disciplina da canoagem velocidade. Mais cedo, os quatro integrantes do grupo, entre eles Isaquias Queiroz, reclamaram que os valores, devidos pelo BNDES, estão sendo quitados há oito meses pelo Comitê Olímpico do Brasil.

"Não há, ao contrário do que alegaram alguns atletas da equipe brasileira de Canoagem hoje (sexta), no Rio, nenhum atraso no pagamento de suas remunerações. Acordo firmado entre a Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) e o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) permitiu que não houvesse nenhuma interrupção do programa de treinamentos destes atletas enquanto um projeto específico para os atletas de canoa estava em tramitação no Ministério do Esporte e no BNDES", explicou o banco, em nota.

Ainda de acordo com o BNDES, o técnico da equipe de canoa (o espanhol Jesus Morlan) solicitou que os atletas ficassem concentrados em Lagoa Santa (MG) - o antigo CT ficava em São Paulo, na Represa de Guarapiranga. Mas, segundo o banco, "o projeto teve sua tramitação prolongada razão de atraso na liberação de licença ambiental e autorização de uso por parte da municipalidade de Lagoa Santa".

Isaquias Queiroz, Erlon de Souza, Nivalter Santos e Ronilson de Oliveira alegam que estão incomodados não por não receberem seus vencimentos, mas por representarem a CBCa e o BNDES apesar de ambos não pagarem seus salários. Nos últimos oito meses, foi o COB quem arcou com os pagamentos que eram devidos pela CBCa - com recursos do BNDES.

Na nota emitida nesta tarde, o BNDES garantiu que "o projeto está aprovado e contratado" e que "os recursos (estão) disponíveis para aplicação nas despesas previstas, inclusive o pagamento de bolsas". "Os atletas já têm em mãos o contrato de que precisam para firmar o recebimento de auxílio pelos próximos doze meses", assegura o BNDES.

Confira a nota do BNDES na íntegra:

"Não há, ao contrário do que alegaram alguns atletas da equipe brasileira de Canoagem hoje, 4, no Rio de Janeiro, nenhum atraso no pagamento de suas remunerações. Acordo firmado entre a Confederação Brasileira de Canoagem (CBCa) e o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) permitiu que não houvesse nenhuma interrupção do programa de treinamentos destes atletas - nem quanto ao pagamento de bolsas-auxílio, que está absolutamente em dia, nem quanto às condições de treinamento - enquanto um projeto específico para os atletas de canoa estava em tramitação no Ministério do Esporte e no BNDES.

Atendendo a um pedido do treinador da equipe de Canoa, o BNDES acolheu um projeto para que os atletas dessa modalidade fiquem concentrados em Lagoa Santa (MG), separados dos atletas de Velocidade. O projeto teve sua tramitação prolongada no Banco em razão de atraso na liberação de licença ambiental e autorização de uso por parte da municipalidade de Lagoa Santa. No período da tramitação, o mencionado acordo entre a CBCa e o COB assegurou que o pagamento dos benefícios aos atletas fosse mantido na mais absoluta normalidade, sem atraso ou redução.

Neste momento, o projeto está aprovado, contratado, e os recursos disponíveis para aplicação nas despesas previstas, inclusive o pagamento de bolsas. Os atletas já têm em mãos o contrato de que precisam para firmar o recebimento de auxílio pelos próximos doze meses.

O BNDES é o patrocinador oficial da canoagem brasileira desde 2011, e apoia projetos aprovados no âmbito da Lei de Incentivo ao Esporte. Entre as iniciativas apoiadas pelo Banco, estão as equipes permanentes de Canoagem Slalom, em Foz do Iguaçu (PR); Canoagem Velocidade, em Curitiba (PR); Paracanoagem, em São Paulo (SP); e Canoa, em Lagoa Santa (MG).

Nestes últimos quatro anos, a modalidade conseguiu importantes conquistas e tem sido reconhecida, inclusive internacionalmente. No Campeonato Mundial de Canoagem e Paracanoagem, disputado em Milão, em agosto, o Instituto da Federação de Canoa e Caiaque da Itália premiou a CBCa com o Prêmio de Crédito Esportivo, voltado para o estímulo ao esporte em países em desenvolvimento. A premiação foi concedida pela crescente evolução da canoagem brasileira na competição: o Brasil foi o maior pontuador dentre os integrantes do G-20 no Mundial."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.