Boavista usa final contra Fla como balcão de vendas

Conquistar o título da Taça Guanabara está em 2º plano para o clube de Saquarema. O objetivo é negociar jogadores

Bruno Lousada e Leonardo Maia / RIO, O Estado de S.Paulo

27 de fevereiro de 2011 | 00h00

Ganhar o título inédito da Taça Guanabara é o de menos. A diretoria do Boavista já se contenta em ver sua equipe chegar à final do primeiro turno do Campeonato Carioca. O motivo é óbvio: a decisão de hoje contra o Flamengo, às 16 horas, no Engenhão, vai ser uma vitrine para apresentar seus jogadores ao mercado nacional e internacional. Na visão de quem preside o clube de Saquarema, na Região dos Lagos, mais importante do que erguer o troféu é encher o bolso.

"Já está uma maravilha (participar da decisão). Não posso almejar tanta coisa contra o Flamengo tendo Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves pela frente. Já está bom. Estou dando até entrevista para você", disse João Paulo Magalhães Lins, um dos investidores responsáveis pela gestão do futebol do Boavista. A prioridade do clube, segundo ele, é vender jogadores. "Uma negociação ou outra é sempre importante."

Há sete anos, os investidores assumiram o comando do Barreira e mudaram o nome do time para Boavista. A equipe disputou a Série B do Estadual do Rio até 2006 e, desde o ano seguinte, disputa a divisão de elite do Carioca, vivendo seu momento mais nobre justamente agora.

O Boavista não possui quadro de sócios, usa a cidade de Saquarema apenas para mandar seus jogos em casa, não tem centro de treinamento adequado e quase todos jogadores moram no Rio. O time tem treinado principalmente no CT do Tigres do Brasil, em Xerém, na Baixada Fluminense.

Com o término do Carioca, grande parte do elenco do Boavista vai ser repassado ao Duque de Caxias para a disputa da Série B do Brasileiro. "Não vamos disputar a Série D. Gasta-se muito dinheiro e a visibilidade é nenhuma. É melhor fazer parceria com o Duque. A vitrine é melhor e existe chance de se fazer negócios", explicou Lins.

Para ele, o Estadual do Rio tem mais visibilidade do que o Campeonato Paulista. "O Carioca é mais visto em outras regiões do País, tem mais exposição para os jogadores. O Paulista, embora seja mais competitivo, com 20 clubes contra 16 daqui, fica muito restrito à tevê fechada."

Na equipe atual do Boavista, destacam-se alguns jogadores "rodados"", como o atacante Frontini e o lateral Joílson, ex-Botafogo e São Paulo. Outros atletas importantes do time treinado por Alfredo Sampaio são o goleiro Tiago, o meia Tony e o atacante André Luís.

Na semifinal, o Boavista surpreendeu o Fluminense ao fazer 4 a 2 nos pênaltis, após 2 a 2 no tempo normal. E chegou à decisão inédita de sua história.

Veja também:

linkRonaldinho tem a primeira chance de ser campeão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.