Boca pede que fãs não levem fogos e sinalizadores

Direção teme possível punição em futuras competições, se houver qualquer incidente com pirotecnia

FABIO HECICO , RAPHAEL RAMOS , BUENOS AIRES , ENVIADOS ESPECIAIS, O Estado de S.Paulo

27 de junho de 2012 | 03h06

A festa que a torcida do Boca Juniors promete fazer em La Bombonera no primeiro jogo da decisão da Libertadores contra o Corinthians, hoje, não deve ser tão iluminada. Na noite de segunda-feira, a diretoria do clube argentino emitiu um comunicado no qual pede para que seus torcedores não levem "nenhum tipo de pirotecnia" ao estádio.

A preocupação é que o local possa ser interditado ou até mesmo que a equipe perca pontos em competições futuras por causa dos fogos de artifícios e sinalizadores de seus torcedores. "Tome consciência dos grandes prejuízos e sanções que o clube pode receber por culpa do uso de qualquer tipo de pirotecnia", avisa trecho do comunicado.

Por causa de incidentes nos jogos contra o Universidad de Chile (fogos de artifício atingiram o gramado) e Arsenal (um bandeirinha foi atingido), havia o temor de que La Bombonera fosse interditada pelas autoridades argentinas às vésperas da final da Libertadores.

O medo se justifica pelo fato de na Libertadores do ano passado o Vélez Sarsfield ter perdido o mando de campo do primeiro jogo das quartas de final contra o Libertad pelo mesmo motivo.

A direção do Boca Juniors já pediu que os torcedores cheguem cedo ao estádio. Na segunda-feira, foram vendidos os últimos ingressos da carga de 45 mil que o clube destinou para os seus torcedores.

Numa caminhada ontem pelas calles (ruas) do centro da capital argentina, não há referência para a decisão da Libertadores. Num dia comum de trabalho, o que mais marca em Buenos Aires são os protestos por melhorias nas condições de vida. Em todo canto há gente gritando e cobrando por melhores condições no emprego e redução de impostos e taxas. Hoje está programada uma greve dos caminhoneiros, o que promete atrapalhar a chegada dos torcedores à Bombonera.

Nas ruas de Buenos Aires, um ou outro torcedor do River Plate, uniformizado, ainda festejando o título da Segunda Divisão e a volta à elite, conquistados no último sábado. As lojas também não "bombam" os produtos do Boca Juniors. Preferem exibir a camisa nacional com o 10 de Messi às costas.

Nos locais onde se encontram as bufandas (tipo de faixa em tecido com o nome dos clubes), as do Boca ainda têm de dividir espaço, quem diria, com as do Corinthians. Os vendedores acreditam que podem lucrar mais com os produtos de inverno e pouco vistos no Brasil do time "favorito", como os argentinos estão apontando os corintianos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.