Franck Robichon/EFE
Franck Robichon/EFE

Bolt avança fácil para a final dos 200 metros e Gatlin faz melhor tempo

Jamaicano diminui ritmo no fim e fica atrás de marca de americano

Estadão Conteúdo

26 Agosto 2015 | 10h17

O jamaicano Usain Bolt e o norte-americano Justin Gatlin vão voltar a duelar por uma medalha de ouro no Mundial de Atletismo, que está sendo realizado em Pequim, na China. Nesta quarta-feira, ambos confirmaram o favoritismo, venceram suas baterias pelas semifinais e se garantiram na final, que está marcada para esta quinta-feira, às 9h55 (horário de Brasília).

No último domingo, foi Bolt quem se deu melhor, ao triunfar na disputa dos 100 metros, por uma diferença de 0s01, garantindo o ouro, mesmo com Gatlin vivendo uma temporada melhor, sendo o dono das melhores marcas nas provas de velocidade, incluindo a disputa dos 200 metros, na qual eles irão se enfrentar nesta quinta, quando Bolt, o recordista mundial da distancia, defenderá o seu tricampeonato mundial na prova que é a sua preferida no atletismo.

Nesta quarta, foi Gatlin quem avançou para a final com a melhor marca, de 19s87, registrada na segunda das três semifinais. Bolt venceu a sua série, a terceira, em 19s95, mas claramente o astro jamaicano diminuiu o seu ritmo nos metros finais, apenas administrando a vantagem para não correr riscos e não ser ultrapassado pelo segundo colocado da sua série, ao contrário de Gatlin, que forçou o ritmo na parte final da sua bateria.

Bolt e Gatlin, aliás, foram os únicos semifinalistas a completarem a prova dos 200 metros em menos de 20s, em mais uma confirmação de que serão eles os protagonistas da disputa pela medalha de ouro. Os outros classificados para a final foram o britânico Zharnel Hughes, que venceu a primeira semifinal, o jamaicano Nickel Ashmeade, o panamenho Alonso Edward, o catariano Femi Ogunode, o sul-africano Anaso Jobodwana e o turco Ramil Gliyev.

As semifinais dos 200 metros não contaram com a participação de brasileiros, pois Bruno Lins e Aldemir Gomes Junior nem avançaram nas eliminatórias, realizadas na última terça-feira.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.