Rolex de la Pena/ EFE
Rolex de la Pena/ EFE

Bolt celebra vitória contra Gatlin e diz que pode correr mais rápido

Jamaicano conversou com técnico após largada ruim na semifinal

Estadão Conteúdo

23 Agosto 2015 | 12h37

O tricampeão mundial Usain Bolt estava eufórico após sua vitória na final dos 100m no Mundial de Atletismo em Pequim, neste domingo. O jamaicano afirmou que a corrida final estava ''fora do tom'' e que ele pode correr mais rápido do que os 9s79 da prova decisiva.

"Podemos dizer que a corrida esteve fora do tom. Posso correr mais rápido", reforçou Bolt após a final, na qual ficou apenas um centésimo na frente do norte-americano Justin Gatlin.

Na semifinal, Bolt ressaltou que voltou a ter uma largada ruim e por isso venceu por pouca diferença. Esse fato o levou a conversar com seu treinador para tentar resolver o problema.

"Ele me disse que estava muito preocupado, e tinha razão, porque sei exatamente o que tenho de fazer. E esta receita de confiança vai funcionar também nos 200 metros, que é minha prova favorita", explicou o atleta jamaicano.

Sobre o título de melhor do mundo, Bolt garantiu que quer ficar no topo pelo tempo que conseguir se manter lá. "Meu objetivo é ser o número 1 até que me retirem", desafiou o jamaicano, que fez questão de ressaltar que a vitória na final deste domingo significou muito, porque ele se recuperou de uma lesão pouco antes do Mundial de Atletismo.

TROPEÇO NO FINAL

Gatlin, por sua vez, afirmou que está satisfeito com seu desempenho, apesar de chegar em segundo e de estar bem próximo da vitória. "Nos últimos cinco metros tropecei um pouco e perdi meu ritmo", esclareceu o norte-americano para explicar sua queda de rendimento justamente no final da prova.

Sobre o futuro, Gatlin acredita que tem muito a conquistar ainda. "Todos querem correr e ganhar, mas eu estive aqui e quem me venceu na mesma prova foi um grande", disse em referência a Bolt. "Mas ainda me restam mais algumas boas corridas", concluiu.

Mais conteúdo sobre:
atletismoMundialUsain Bolt

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.