Bolt mostra confiança para disputa do Mundial de Daegu

Usain Bolt mandou um recado para seus adversários no Mundial de Atletismo, que começará no sábado, em Daegu, na Coreia do Sul. Em entrevista via e-mail, ele avisou que está confiante e pronto para defender seus títulos nos 100 metros, 200 metros e revezamento 4x100 metros, conquistados na última edição da competição, há dois anos, em Berlim, na Alemanha.

AE-AP, Agência Estado

22 de agosto de 2011 | 10h39

"Estou sempre confiante. Estou invicto neste ano e quero defender todos os meus títulos", afirmou o astro jamaicano, que também é o atual campeão olímpico dessas mesmas três provas, nas quais ainda é o recordista mundial.

Nesta temporada, Bolt realmente venceu todas as provas que disputou, mas não tem o melhor tempo do ano. Nos 100 metros, o máximo que ele conseguiu fazer foi 9s88, enquanto a marca mais rápida de 2011 é do também jamaicano Asafa Powell, com 9s78.

"Penso que será igual ao que aconteceu em Berlim. Algumas pessoas correram bem na temporada, mas o que conta é o campeonato", disse Bolt, lembrando que antes do último Mundial o melhor tempo dos 100 metros era do norte-americano Tyson Gay.

"Sempre treino para chegar ao auge nos grandes campeonatos. Esse é o objetivo da minha programação", explicou Bolt, que, dessa vez, não terá a concorrência de Tyson Gay, contundido - assim, Asafa Powell surge como seu principal rival.

Nos 200 metros, porém, Bolt parece não sofrer qualquer ameaça. Mesmo longe da sua melhor forma, ele tem o tempo mais rápido desta temporada, com 19s86. E, sem a concorrência de Tyson Gay, não terá nenhum grande rival no Mundial de Daegu.

Independente dos adversários, Bolt confia no seu potencial para brilhar novamente. E garante não sofrer mais com as lesões que atrapalharam sua temporada em 2010. "Isso ficou no passado. Não tive problemas neste ano", revelou o jamaicano.

Tudo o que sabemos sobre:
atletismoUsain Bolt

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.