Marcos de Paula/Estadão
Marcos de Paula/Estadão

Bolt supera Phelps e fatura tri do prêmio Laureus, o Oscar do Esporte

No Rio, Neymar viu conquista na categoria Superação ir para as mãos do britânico Andy Murray

Leonardo Maia e Tiago Rogero, O Estado de S. Paulo - Atualizado às 22h39

11 de março de 2013 | 21h15

RIO - Maior medalhista brasileiro da história dos Jogos Paralímpicos, o nadador Daniel Dias se tornou nesta segunda-feira o primeiro atleta do País a ganhar por duas vezes o prêmio Laureus, considerado o Oscar do Esporte. A 14.ª edição do evento, realizada pela primeira vez na América do Sul - no Theatro Municipal, no Rio -, consagrou ainda o jamaicano Usain Bolt, que ganhou como Atleta Masculino do Ano pela terceira vez, e o norte-americano Michael Phelps, que teve um prêmio criado em sua homenagem.

A pomposa festa no Theatro Municipal - com direito a tapete vermelho e traje de gala - foi conduzida pelo ator e diretor norte-americano Morgan Freeman, que esbanjou bom humor e carisma. Nos últimos dias, o Nelson Mandela de Invictus (2009) foi visto caminhando pelas ruas de Copacabana, num restaurante na Lapa e chegou a brincar que ainda "estava procurando a garota de Ipanema". No começo da cerimônia, Freeman comentou que, quando criança, pensava em ser atleta. "Ainda imagino como teria sido", disse.

O nadador Daniel Dias recebeu o prêmio de Paratleta do Ano das mãos de dois brasileiros: Cauã Reymond e Fernanda Lima. "Para 2016, temos tudo para mostrar que não somos apenas o País do futebol", disse o atleta, que também detém o maior número de indicações entre brasileiros para o Laureus: cinco. Além dele, que venceu pela primeira vez em 2009, já ganharam a premiação Pelé, Ronaldo, Bob Burnquist e Raí, além da seleção pentacampeã do mundo, de 2002.

"Estamos carentes de bons exemplos, não de ídolos", disse o nadador, que espera estar motivando crianças por todo o País. "Quem sabe um dia não poderei nadar ao lado de alguém que me viu competindo, e conquistaremos uma medalha no revezamento".

Filha de João Gilberto e Miúcha (irmã de Chico Buarque), Bebel Gilberto se apresentou cantando uma versão em inglês de "Samba de Verão", de Caetano Veloso. Pouco depois, foi a vez de Boris Becker subir ao palco para anunciar o prêmio de Atleta Masculino do Ano: na disputa, lendas vivas como Lionel Messi, Usain Bolt e Michael Phelps. Melhor para o jamaicano, que não compareceu, mas gravou mensagem exibida no telão. Prometeu competir nos Jogos do Rio.

Quem não vai disputar nada em 2016, mas esteve ontem no Rio, foi o agora aposentado Michael Phelps. Para ele, foi criado o prêmio de Conquista Excepcional do Ano. "Uma das coisas mais legais do Laureus é que ele é dado por atletas que são ícones em seus esportes", disse o norte-americano, que na entrevista coletiva depois de receber o troféu "perdeu" uma palavra ou outra - segundo ele, pela emoção. "Minha vida segue ficando melhor e melhor. É um ótimo jeito de terminar a carreira".

Vencedora do prêmio de Atleta Feminina do Ano, a britânica heptatleta Jessica Ennis deu um recado para os atletas brasileiros, em especial os do atletismo. "Competir com um estádio lotado, com 100% da plateia a seu favor é a experiência mais surrealista que já tive. Pressão é algo bom", disse a atleta, que prometeu, mesmo no Rio, treinar nesta terça-feira para não perder a boa forma.

O atacante santista Neymar, que concorria à Superação (Breakthrough) do Ano, foi derrotado pelo tenista britânico Andy Murray, que em 2012 conquistou seu primeiro Grand Slam, o US Open, e também a medalha de ouro nos Jogos de Londres. O time europeu que no ano passado conquistou a Copa Ryder de golfe venceu o troféu de Equipe do Ano, derrotando as seleções de futebol espanhola e olímpica de basquete masculino dos EUA.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.