Bolt vence, sem recorde

Velocista jamaicano correu os 100 m na quarta etapa da Golden League de Paris em 9s79

, O Estadao de S.Paulo

18 de julho de 2009 | 00h00

A chuva persistente e o vento forte em Paris impediram Usain Bolt de cumprir a promessa de surpreender o mundo ontem, na 4ª etapa da Golden League, com novo recorde mundial dos 100 m. Mesmo sem baixar a própria marca de 9s69, o jamaicano não teve dificuldade para levar o ouro em 9s79, dois centésimos abaixo do melhor tempo do ano - no meeting anterior, em Roma, o norte-americano Tyson Gay cravou 9s77.Dono de um recorde que parece imbatível, Bolt havia prometido tentar baixar o tempo que lhe garantiu o ouro em Pequim, desde que em condições favoráveis. Na noite fria e chuvosa do Stade de France, porém, o jamaicano foi lento na largada. "Eu tive um mau começo em um mau clima, então é um bom resultado", reconheceu. "Eu fui cuidadoso porque eu não queria me lesionar. Você não quer se machucar a esta altura da temporada, logo antes de um Campeonato Mundial."A competição serve como preparação para o Mundial de Berlim, em agosto. Sem rivais de peso como Tyson Gay e o compatriota Asafa Powell, Bolt foi seguido por Daniel Bailey, de Antígua, com 9s91, e por outro jamaicano, Yohan Blake, terceiro colocado com 9s93.Bolt ainda vai disputar outro meeting, em Londres, antes da competição em Berlim. Após a corrida de ontem, ele mostrou que está ansioso para roubar as melhores marcas do ano de Tyson Gay, nos 100 m e nos 200 m. "Vai ser maravilhoso e será um período emocionante." Apesar das brincadeiras - em Paris, mais uma vez não poupou caretas para as câmeras de televisão -, o jamaicano quer provar que os feitos inesquecíveis de Pequim não foram por acaso. "O Campeonato Mundial é muito importante para mostrar ao mundo que o ano passado não foi uma piada", disse Bolt, de 22 anos.Até o meeting de Paris, a melhor marca nos 100 m do tricampeão olímpico em 2009 era de 9s86, obtida nas seletivas jamaicanas de Kingston, no fim de junho.PRATA BRASILEIRAO destaque brasileiro nas provas de ontem ficou por conta de Jadel Gregório, no salto triplo. Com a marca de 17,12 metros, o atleta paranaense levou a prata. O campeão pan-americano de 2007, porém, passou longe de sua melhor marca pessoal (17,90 m), quando quebrou o recorde sul-americano. Em uma prova sem marcas significativas, a medalha de ouro ficou com o britânico Phillips Idowu, que saltou 5 centímetros a mais que o brasileiro. O cubano David Girat, com 17,07 m, completou o pódio, em terceiro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.