Bom humor está sempre presente Clima na Indy é mais leve que na F-1

Muitas são as diferenças entre a Fórmula Indy e a Fórmula 1. Tecnologia, circuitos utilizados na temporada, combustível, mas o que mais chama a atenção é o relacionamento dos pilotos com a imprensa e com o público. Sempre bem humorados, estão dispostos a quase todos os tipos de entrevista, ao contrário das estrelas da F-1. Na entrevista coletiva de ontem no Anhembi, que reuniu seis dos sete brasileiros que estarão em ação a partir de amanhã, a descontração foi total. Tony Kanaan, 35 anos, sempre divertido, aproveitou para brincar o tempo todo com os novatos Raphael Matos, Bia Figueiredo e Mario Romancini. Além de ser um dos mais experientes da categoria, Tony também é um dos responsáveis pelas atitudes tomadas pela equipe Andretti. "Olha só! Ele cortou a barba, tá melhor vestido", brincou Tony com Gil de Ferran, chefe da equipe de Raphael Mattos. Ao saber que Mario Moraes era o sétimo brasileiro na prova, soltou mais uma pérola. "É mais um terror para os gringos."

Wilson Baldini Jr., SÃO PAULO, O Estadao de S.Paulo

13 de março de 2010 | 00h00

Quem também não fica atrás nas brincadeiras é Hélio Castroneves. Piloto da Penske, uma espécie de Ferrari da Indy, o brasileiro responde a todas as perguntas com um sorriso. Logo ele que no ano passado chegou a ser julgado por evasão fiscal nos Estados Unidos. Foi absolvido e um mês depois venceu a tradicional prova de Indianápolis pela terceira vez. "Se o Hélio ganhar, espero que ele não salte muito alto para comemorar no alambrado, se não ele vai cair dentro do Rio Tietê", brincou Kanaan.

Helinho é conhecido como o "Homem Aranha" por causa de suas comemorações. O apelido lhe valeu uma entrevista ontem para um canal de TV infantil. Sem perder o sorriso, chegou a dançar e cantar durante a matéria. Isso sem ter havido nenhuma combinação entre ele e o repórter. Seria mais ou menos como ver o Michael Schumacher tendo este tipo de atitude antes do GP de Bahrein. Impossível!

Muitos podem dizer que este relacionamento existe por causa do forte interesse financeiro. Pode até ser, mas no contato com o público a boa vontade dos pilotos com os torcedores também é muito notada. Todos têm horários reservados para atender os fãs e não se cansam de tirar fotos e dar autógrafos. São estilos diferentes de se "conduzir" um relacionamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.