Bons ventos

Times dos brasileiros chegam em alta

, O Estadao de S.Paulo

26 de março de 2009 | 00h00

Três representantes e em três das melhores equipes da Fórmula 1, tendo em conta o que os testes de pré-temporada revelaram. Esse é o quadro do Brasil no 60.º Campeonato Mundial de Fórmula 1, que tem seu primeiro Grande Prêmio da temporada na madrugada de domingo (3 horas de Brasília), na Austrália. A surpreendente Brawn GP, de Rubens Barrichello, viajou da projeção de uma participação modesta no campeonato à perspectiva de ser uma das protagonistas. Com a experiência de Rubens Barrichello, tem chance, ao que tudo indica, de lutar pelos primeiros lugares. O mesmo pode-se afirmar de Felipe Massa com a Ferrari F60 diante do eficiente trabalho realizado nos treinos em Mugello, Bahrein, Jerez de la Frontera e Barcelona. A dúvida ainda é Nelsinho Piquet. No fim dos ensaios, a Renault melhorou muito seu modelo R29, a ponto de ele e Fernando Alonso estabelecerem tempos promissores. Mas nada melhor do que eles mesmos para explicar o que esperam do Mundial de 2009.Felipe Massa"Nos testes de Sakhir (Bahrein) e Jerez estávamos sempre entre os mais rápidos, nossa performance foi muito consistente e nos davam como favoritos para o início do campeonato", disse o piloto da Ferrari nos testes de Barcelona, desenvolvidos entre os dias 9 e 12. "Mas aí veio a Brawn e compreendemos que nosso ritmo, apesar de bom, não acompanha o deles. Penso que nenhuma das equipes os superaria. Não creio que eles estivessem fora do regulamento", comentou, preocupado. "Mas estou satisfeito com a evolução do carro do primeiro treino até aqui. Simulamos algumas corridas com sucesso. Vou bem animado para a Austrália."1999 Campeão Brasileiro de F-Chevrolet2000 Campeão Europeu e Italiano de F-Renault2001 Campeão Europeu de F-30002002 a 2008 F-1: Vice-campeão em 2008; 3.º em 2006Nelsinho Piquet"A rigor mesmo, fiz poucos quilômetros no R29. As modificações introduzidas permitiram nos aproximar bem dos mais velozes, Ferrari, Toyota e BMW e pelo visto, agora, a Brawn. O Alonso pegou o carro sempre depois de mim e as condições eram melhores, completou bem mais voltas, dando-nos referências positivas. Quanto ao que posso fazer, dá para afirmar que chego a Melbourne mais tranquilo por saber o que me aguarda, o que tenho de fazer, como reagir, o que não era o caso no ano passado. Minha meta é estar sempre próximo do Alonso e na sua frente também."2002 Campeão Sul-Americano de F-32004 Campeão Britânico de F-32006 Vice-campeão da GP22008 F-1: 12.º, com 19 pontos (1x2.º, 1x4.º, 1x6.º, 1x7.º e 1x8.º)Rubens Barrichello"É difícil para mim conter a euforia pelo carro da Brawn. Já experimentei carros inicialmente bons mas que depois, pelos mais distintos motivos, não corresponderam ao que imaginávamos. Por esse motivo guardo uma pontinha de reserva. Mas, se me deixo levar pela emoção, diria que o Brawn GP 001 nasceu veloz, equilibrado, confiável, enfim, um carro vencedor. Meu primeiro teste, em Barcelona, me lembrou os que fiz com os melhores modelos da Ferrari. É verdade que as realidades de Ferrari e Brawn GP são diferentes. O que dá para afirmar é que nas primeiras etapas as possibilidades são muito boas diante das informações que obtivemos. Podemos, sim, ser a surpresa do campeonato."1990 Campeão Europeu de F-Opel1991 Campeão Britânico de F-31992 3.º colocado na F-30001993 a 2008 F-1: vice-campeão em 2002 e 2004

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.