Bósnios ficam felizes por pegar o Brasil

Longe de ser um jogo entre iguais, o confronto de hoje entre Brasil e a Bósnia é motivo de orgulho para alguns atletas da equipe europeia. Mesmo jogadores que defendem médios e grandes times da Europa, como Dzeko, (Manchester City), Pjanic (Roma), Lulic (Lazio), Ibisevic (Stuttgart) e Spahic (Sevilla), demonstram uma certa fascinação em representar seu pequeno país contra o pentacampeão mundial.

ST. GALLEN, O Estado de S.Paulo

28 de fevereiro de 2012 | 03h05

"É um enorme prazer enfrentar o Brasil. Muitos jogadores da ex-Iugoslávia jogaram anos nunca tiveram a oportunidade de enfrentar o Brasil. É uma honra estar em campo contra o time brasileiro", disse ao Estado o meio-campista Pjanic. Um de seus objetivos é não fazer feio frente à comunidade bósnia-herzegovina que buscou refúgio na Suíça durante a guerra. Parte dela vive em St. Gallen, local do jogo de hoje. "Vamos dar o nosso máximo para enfrentá-lo, porque teremos os torcedores a nosso lado. O estádio estará lotado."

Begovic, goleiro do Stoke City, também se mostrou satisfeito por jogar contra a seleção, mesmo que esteja sempre em confrontos com atletas brasileiros no Campeonato Inglês. "Será um ótimo teste para a gente. No Brasil todos são ótimos jogadores."

Apesar do respeito, Begovic diz que a Bósnia vem para jogar futebol, e não apenas se defender. "Nós gostamos de atacar", garantiu Begovic. Perguntado se acha possível bater a equipe de Mano, ele sorriu. "É extremamente difícil, mas é possível. Não somos os favoritos, o Brasil é o favorito." / A.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.